Textos

A MOÇADA DA PERCEPÇÃO BLUE (REVELA AÇÕES) — V —
A MOÇADA DA PERCEPÇÃO BLUE
(REVELA AÇÕES) — V —

O ESPERMA “MEDALHA DE OURO” conseguiu vencer as barreiras biológicas de sua sexualidade. Chegou em primeiro lugar e fertilizou Edinah. Ela queria parir uma filha mulher. Ter uma companheira do lado. Não um filho homem para questioná-la. Na realidade ela ainda não odiava o marido com quem casara. Mas fazia uma encenação de que era mulher, fêmea e feminina. Coisa que certamente jamais conseguiria ser. Sua suposta feminilidade não enganava nem a si mesma. Interagir para ela, só com quem afirmasse as coisas aleatórias que se passavam apenas na cabeça dela. A realidade toda do mundo não lhe interessava minimamente.  Só as realidades dela. Famígeras.

O MARIDO ERA UM ODONTÓLOGO que exercia a profissão de dentista numa capital do interior do país. Para ele não havia mais salvação. Havia se casado com Edinah porque não se achava capaz de dar conta de uma mulher com predicados femininos. Uma mulher que fosse minimamente inteligente não lhe interessava: uma fêmea que fosse rica e feminil não lhe interessava minimamente. Seus complexos de inferioridade estavam todos à flor da pele. Um espírito simplório que não se via digno de saber tornar seu corpo e mente fortalecidos por ações de um ser humano homem, do gênero masculino.

O DOUTOR TONHO POTTER era conhecido na cidade, clinicava para o Inps. Cuidava de dentições estragadas, abcessos de gente pobre, humilde. Mas também clinicava para clientes outros que pagavam o tratamento. Costumava dá uns tapas em cigarros de maconha no consultório pegado ao quarto de dormir do casal. Despreparado para a vida conjugal, não sabia como exercer a força admirável que uma paternidade responsável poderia conceder.

TONHO POTTER USAVA O PÓ com base em cocaína, xilocaína, para adormecer a gengiva de clientes nas intervenções de tratamento de canal e extrações, para cheirar. Dopava-se, quando chegava a noite, sentado na escrivaninha frente à uma caveira que, segundo ele, pertencera a um negro de uma tribo africana. A caveira tinha todos os dentes à mostra em sadio estado de conservação.

EDINAH TALVEZ PUDESSE TER sido uma mulher que conservasse a beleza feminil, mesmo que fosse para ela difícil mudar a aparência de madona obsessiva, o corpo ganhando corpulência, uma atitude mandona e autoritária com relação ao marido e também aos filhos que foram se amontoando todos os anos. Ela, nos finalmente de muitas barrigadas, engravidou 25 vezes. Quinze das quais abortou. As outras dez geraram cinco filhos e cinco filhas.

AQUELA UNIÃO NÃO PODERIA ter dado certo. Ele, o marido, um sujeito fracote da mente e do físico. Ela, encorpando-se e perdendo cada vez mais uma feminilidade que, em realidade inexistia. Virou uma empregada doméstica fanática de seus deveres de café da manhã, almoço e janta. Viviam uma vida domesticada de intolerância mútua. Os dez sobreviventes dos óvulos fecundados viviam num ambiente de progressiva instabilidade emocional do casal.

NENHUM DELES TINHA A MÍNIMA noção de como seriam educados os filhos. Eles, que tiveram uma educação de grande rejeição e carências de todos os tipos, conviviam num ambiente de gradativas hostilidades, insinuações, cantorias de modinhas românticas para casais adolescentes e adultos emocionalmente decadentes. O lar doce lar era uma espécie de lupanar entre os dois. Costumavam sair à noite para ir a comemorações de aniversários de pessoas conhecidas. Possivelmente traziam para dentro do quarto, na cama de casal, as personagens erotizadas dos filmes de Hollywood que assistiam nos dois cinemas frente à Praça principal da cidade.

AMBOS CONVIVIAM COM O MEDO que lhes crescia nas entranhas e ficava cada dia mais difícil de esconder. Medo de que a filiação crescesse e questionasse aquela educação de família das cavernas. Eram dois alguéns que descobriram tardiamente ser incompatíveis no convívio dentro de um mesmo espaço onde passaram a se conhecer e às suas muitas e horríveis deficiências de educação moral, de respeito próprio e mútuo. Os filhos iam empatizando toda a horrenda orgia de dissimulações que não mais se dissimulavam. Agressões que se repetiam viravam o dia a dia à moda da casa.

À SOMBRA DE UMA CONVENIÊNCIA emocional desonesta, eles iam empurrando com as barrigas as responsabilidades para com suas crias, de modo a fazê-las aceitar á força das necessidades crescentes, o ambiente nauseabundo que criavam para os filhos, como se fosse a educação mais natural do mundo.

EU, O FILHO PRIMEIRO, DANTE, nome de batismo literário neste documento em homenagem ao personagem xará. Eu, Dante, fazia por onde minha alma não fosse contaminada pelo imprudente aviltamento de minhas possibilidades de crescimento moral, físico, mental. Meu intelecto estava sendo diariamente bombardeado, fustigado pela insanidade cada vez mais descarada do casal a quem eu deveria considerar meus pais. Seus outros filhos seguiam a mesma estratégia familiar.

FUSTIGADO PELA MODÉSTIA DA pobreza espiritual do casal do qual havia sido vomitado de suas entranhas, buscava eu uma condição de adaptação, na criação de miragens que me afugentasse das bestas que me criavam para a reprodução de suas frustrações e ressentimentos. A alienação de ambos luzia em meus olhos, e nada tinha de suave ou angelical. Aquelas almas não tinham nada de cortesia. Eram ambas soberanas em covarde e perversa dominação. Como se eu fosse alguém que merecesse suas invectivas, castigos e espancamentos.

DESENVOLVI UM SENTIMENTO DE defecção existencial que cresceu comigo. Eu criara um mundo apenas meu, porque não podia tolerar a realidade de um mundo externo onde a soberania de uma maligna crueldade se potencializara contra meus direitos de criança, de adolescente, de ser humano acossado por uma rejeição de pais e irmãos que não me queriam por perto simplesmente porque qualquer investimento em mim, significava tirar o pão da boca de cada um deles.    

Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 22/04/2022
Alterado em 15/05/2022
Copyright © 2022. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários