Textos

O “ESPÍRITO” E A TECNOLOGIA DA CRIAÇÃO —XX—
O “ESPÍRITO” E A TECNOLOGIA DA CRIAÇÃO —XX—

Não raros espíritos científicos têm tido e desenvolvido ao mesmo tempo, experimentos que permitem melhorar a vida do Homo sapiens nessa Terra. Mas, ao mesmo tempo, sabemos que essas melhorias têm a ver com a experiência do corpo físico. Melhorar o espírito do Homo sapiens não é tarefa para seres humanos. Por quê??? Porque a tecnologia dos cientistas da Terra, deste planeta, não tem acesso à tecnologia de criação do espírito.

Os espíritos dominam os homens enquanto espécie. Os espíritos os dirigem, ao homem enquanto espécie, para uma trilha determinada dentro das opções dos demais acessos às veredas dos caminhos que se bifurcam. Os caminhos que se bifurcam são aqueles que fornecem a oportunidade dele, homem, sair desse universo, desconhecido para outros universos que também lhes são desconhecidos.

Você por certo estimado leitor, já ouviu falar de regiões geográficas nesta Terra em que habitas, onde pessoas adentram, maior parte das vezes sem querer, em campos eletromagnéticos que as fazem desaparecer.  Elas simplesmente não são mais vistas. Para onde foram??? Onde estão??? Certamente foram transportadas para regiões às quais os seres humanos que permanecem no nosso mundo, nunca terão acesso. Pelo menos na vigência de suas vidas no tempo limitado delas.

Foram possivelmente abduzidas para um lugar, ou realidade alternativa que coexiste com esta. Esta nossa realidade tangível, manifesta, tátil, corpórea. Os espíritos continuarão nelas, mas a manifestação deles será seguramente diversa. Por quê??? Porque um universo paralelo possui outra aparência diversa e suscita outros tipos de percepções e vivências diferenciadas. O espírito logo se adaptará a essa outra realidade coexistente, mas estará, quem sabe ao certo, anos-luz distante de nosso convívio nesta Terra.

A tecnologia Et que criou corpos e espíritos, os criou macho e fêmea. "Façamos o homem, que seja a nossa imagem, segundo a nossa semelhança", disse o Deus Et Criador do homem enquanto ser bípede, consequente de experiências genéticas híbridas com seus, agora dessemelhantes hominídeos anteriores. Os textos ditos sagrados não nos informam se essa experiência que o desassociava do sexo oposto (Eva e as fêmeas anteriores a ela), teria condições de manter a sexualidade do macho, após sofrer as influências do tempo histórico e suas mudanças de paradigmas.

Hoje, aquele homem da Criação primeira, degenerou, sob o impacto de influências que o fizeram desistir do legado patriarcal que Aquele Et, Deus Criador do mundo, o dotou. Hoje, não são poucas as mulheres que se dizem “sou mais macho que muito homem”. O espírito habita os seres. Os seres carnais que têm sexo masculino/feminino.

As condições do mundo primitivo que os afirmara homem/mulher, seres animais de carne e osso, denominados opostos na sexualidade, por razões e motivações culturais diversas, razões atualizadas num mundo alterado por ocorrências relevantes, fizeram aquele homem, Adão primevo e aquela mulher, Eva, perder suas características de macho e fêmea e se lançarem no mundo cão da sobrevivência a qualquer preço.

O Adão patriarcal não é mais aquele inquestionável dono da verdade. A divisão do trabalho na sociedade industrial o fez regredir a estágios demudados, irreconhecíveis, que não mais o definem o machão das fêmeas submissas.  A Eva mitocondrial, seu DNA disseminou-se de maneira intensa e irreversível entre todos os membros das comunidades sapiens em todos os lugares do mundo.

Não adianta você se chamar Raimundo, ou outro nome qualquer. É um fato da biologia: a organela chamada mitocôndria é uma fábrica de energia celular. Em seu interior o material genético (DNA) é passado unicamente da mãe para toda a prole universal. Sejam filhos ou sejam filhas. Os místicos chamam a isso, sem querer, desde que não têm consciência dessa realidade biológica atual, a Era da Kali-Yuga: a espécie de radiação negra emitida pela “radioatividade” materna.

Kali-Yuga (Cáli Iuga), aparece nas escrituras hindus como sendo a última das quatro etapas que o mundo em que vivemos na travessia guiada pelos espíritos até o fim definitivo do homem (Homo sapiens) carnal. Fim este que estamos a viver. Fim este que está previsto na principal profecia Maia do fim dos tempos que já aconteceu: 21.12.2012. Quem espera um final apocalíptico, cheio de desastres “naturais” provocados artificialmente, com o Anticristo liderando o “Exército do Mal” e provocando o conflito final na Batalha do Armagedon... Não vai se decepcionar.
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 07/01/2022
Copyright © 2022. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários