Textos

OS HABITA ANTES DO (BAIXO) ASTRAL (II)
OS HABITA ANTES DO (BAIXO) ASTRAL (II)

ANTES DA ATUAL CIVILIZAÇÃO vigente nos continentes, houve outros continentes e civilizações até muito mais evoluídas tecnologicamente do que esse risível (relativamente a elas) grau de evolução “high-tech” alcançado pelos americanos, os russos, chineses e demais países do G-8.

OS GRANDES PATRIARCAS bíblicos tiveram a função na orientação de seus respectivos povos, assim como os deuses de outros povaréus, bandos, chusmas, arraiais, tribos, sociedades. Todas elas devidamente monitoradas pela tecnologia Et muito mais desenvolvida que as atuais tecnologias ditas avançadas desse planetinha gerido pela corrupção política, econômica e jurídica de suas ditas autoridades.

ESSA 5ª RAÇA ATUAL ESTÁ a viver seus extertores. Os governantes de seus principais países sabem disto há muito, muito tempo. Mas esondem de seus governados as razões pelas quais seus antigos e antediluvianos antecessores das civilizações muito remotas, até mesmo anteriores à Lemúria e à Atlântida, existiram. Os mitos delas derivados são mais reais do que os foguetes muito primitivos que levam seus astronautas e satélites ao espaço interplanetário, a partir da liderança do cientista nazista Wernher von Braun...

…WERNHER VON BRAUN, nazista a serviço da Nasa e de nazistas da iniciativa privada dedicada à conquista espacial na América do Norte e no mundo. Seus cientistas aprendizes o substituiram nos projetos que estão em curso nos subterrâneos das áreas proibitivas à imprensa e e ao conhecimento do povo americano.

SUPREMACISTAS E GLOBALISTAS disputam entre si a posse da tecnologia Et disponível à pesquisa científica das respectivas reengenharia de naves espaciais “caídas” porpositalmente em vários locais da superfície do planeta. Destaques para os EUA, China, Rússia, Reino Unido, Índia, Japão.

A ENORME QUANTIDADE de “faíscas quânticas” que os religiosos e esotéricos costumam chamar de espíritos, estão a promover a continuidade das estratégias de dominação planetária que de há milênios vêm sendo posta em prática por civilizações que aqui chegaram em datas inacessíveis à mente dita humana.

OS PRIVILÉGIOS DE UMA malta (dita “elites”) que se beneficiou dos recursos explorados das matérias-primas dos países por elas colonizados, defendem a exploração de outros orbes além deste sistema solar de 5ª grandeza. Essas ditas “elites” estão igualmente magnetizadas pela mente “hard” dos mais antigos arquétipos da espécie dita humana. Arquétipos fixados em conquista espacial interestelar desde as mais antigas civilizações aqui estabelecidas na intenção de que isto, essa realidade viesse a acontecer.

POR QUE O PROFETA JESUS Cristo esteve nesta Terra??? Ele, Filho de Deus Et, talvez tenha sido o único Deus humanitário, porque alertou essa humanidade para os perigos de um desenvolvimento além dos limites do controle humano da humanidade. O controle Et da colonização do espaço é o Antecristo.

A HUMANIDADE ET DE CRISTO versus a desumanidade Et dos nazistas supremacistas provenientes da cosmogonia dos “super-homens” nazis que criaram a mentalidade de foguetes provenientes da mente magnetizada de von Braun na América e de seus equivalentes na Rússia e em outros países igualmente supremacistas e/ou globalistas, com mentalidade de colonização planetária além sistema solar.

OS DEUS PAGÃOS ANTERIORES ao Cristo, os deuses do paganismo do Olimpo são, em realidade os que estão a viger na atual configuração de canalização dos recursos criados por sete e meio bilhões de escravos da ganância de grupos ditos civilizatórios. Grupos a serviço dos Ets que colonizaram este planeta com essa intenção desumanitária. Os ditos humanos estão a aceitar essa dominação e canalização de recursos como se fossem uma patética maioria silenciosa e conformada!!!    

Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 04/04/2021
Alterado em 05/04/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários