Textos

HÁ ALGO ESTRANHO NO ALGORITMO MATERNO
HÁ ALGO ESTRANHO NO ALGORITMO MATERNO

SE VOCÊ ACREDITA que vivemos num mundo de estranhamentos, onde, se nossa visão não está apenas a navegar no superficial, tudo e todas as coisas têm seus mistérios, que não são misteriosos (se devidamente pesquisados): vamos sondar a insondável figura da mãe, da minha e da sua (se o leitor me permite).

POUCO IMPORTA QUE sua madona seja pequena, grande, leve, pesada, rica, pobre, baixa ou alta. O que importa é a matéria de que é feita sua alma. Para que serve, quais suas certezas e incertezas. Ela nasceu com um caminho que era seu. Mas com as mesmas estruturas subatômicas que definem o microcosmo humano. E o microcosmo de maneira geral. O circuito magnético interno dos seres humanos é semelhante em todos os reinos.

TALVEZ O PROBLEMA básico de todas elas seja o dualismo estrutural (boa má, bom mau, feia bonita, alta baixa, ignorante erudita, rica pobre, pobre rica, bronca inteligente, graduada sem estudo…). Todas são parte da cultura indigesta que se estabeleceu desde as mais antigas civilizações. Todas nasceram em um contexto já formalizado:

O AMBIENTE, A CONJUNTURA, as circunstâncias de uma comunidade, dita humana, na qual começam a viver, ou melhor, a sobreviver, Determinam a cristalização do rito mental. Os ensinamentos religiosos das comunidades não se sobressaem pelo ensinamento, guarda e aperfeiçoamento da verdade. Aquela verdade que Jesus afirmou ao dizer: “Conhecei a verdade e a verdade vos libertará”. Frase que um conhecido político picareta usou e abusou em campanha.

HÁ UMA UNIDADE QUE fundamenta todas as existências nos reinos vegetal e mineral do animal humano. A “Carta aos Mahatmas” da Teosofia afirma: “A natureza interligou todas as parte de seu império a partir de sutis fios de simpatia magnética, há existência de mútua correlação entre uma estrela e um homem”. Por que não dizer: há bilateral correlação entre um homem, um Deus Et e um grão de areia.

POR QUE UMA MADRE causa dor e sofrimento em seus descendentes??? Será porque a natureza dela vem de muito longe programada para ser como é e agir como age???!!! Por que sua educação se repetiu ontem, hoje, amanhã se repetirá em outros tempos passado, presente e porvir??? Agem, a grande maioria delas, como se tudo que fizessem à teia, tecida da vida., a si mesmas não se arquivasse e voltasse através da vida cármica.

A LEI DO CARMA SE explicada com simplicidade, qualquer criança compreende, assimila e interpreta com profundidade. Toda matéria é vivaz na compreensão de si mesma. Seres ditos humanos são representações micro, do macrocosmo. Tudo e todas as coisas nos reinos da natureza existem em direção do próprio aperfeiçoamento. Quer tenham ou não consciência disso. Quem não sabe??? Mães parecem que, por terem carregado no ventre por, maior parte das vezes nove meses, suas crias, pretendem saber tudo e todas as coisas sobre elas quando, em verdade, sabem quase nada.

ELAS IGNORAM DE maneira veemente, acredito que 90% das vezes, a frase de Sócrates que afirma: “Sábio é o que conhece os limites da própria ignorância”. Talvez durante a gravidez, elas tenham uma realação de possessividade intensa para com o desenvolvimento do feto no líquido amniótico. E, quando nasce a criança elas desejam com intensidade influir no futuro dela.

TALVEZ DEVESSE O Estado proporcionar o conhecimento, mesmo rudimentar, de como uma criança precisa ser criada, amadurecida em suas percepções da vida infantil, juvenil, adulta. Tendo por paradigma a liberdade de ser, agir, pensar. Tal afirma o truísmo hermético: o interno é igual ao externo, o grande ao pequeno, o acima equivale ao que vive embaixo. Todas as coisas nascem da unidade. Nada é grande, nada é pequeno. Não é alta, não é baixa, não é rica nem pobre na economia divina.

NÃO HÁ RELIGIÃO SUPERIOR À VERDAE!!! Afirma A Teosofia!!!


Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 27/03/2021
Alterado em 13/04/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários