Textos

"A METAMORFOSE" E Os Intertextos Do Medo (Revisto E Atualizado) II
2.7. INTERTEXTO: da realidade da Vida para a “ficção” do ECRAN

Dahmer, Mente Assassina, (2002) — Em Milwaukee Jeffrey Dahmer, “o canibal de Milwaukee” matou com exagerada crueldade 17 jovens homossexuais entre 1978/91. Canibalismo, necrofilia, estupro e esquartejamento. — Ted Bundy, Mente Assassina, (2002), matou pelo menos trinta mulheres em sete estados americanos. Ele as atraía com seu charme, as matava e devorava em rituais de canibalismo necrófilo. — Terra de Ninguém, (1973), filme sobre os crimes do casal Charles Starkweather, 19, e Caril Ann Fugate, 14. Em nome de suposto amor mataram dez pessoas. Na fuga do estado de Nebraska mataram mais sete pessoas. A dupla disse ter se inspirado nos filmes Assassinos por Natureza (1994) e Fúria Assassina (2004).

Condessa de Sangue, (2008) — A condessa Elizabeth Bathory fora acusada de torturar e matar centenas de meninas e adolescentes virgens com a finalidade de banhar-se no sangue das meninas-moças. Ela acreditava que, dessa forma, mergulhando o corpo em líquido do plasma sanguíneo, poderia prolongar sua vida infame. A coisa toda teria acontecido nos últimos anos do século XVI e início do século XVII. — O Silêncio dos Inocentes (1991), conta a história de Ed Gein que matava mulheres que se pareciam com sua mãe, as enterrava e exumava seus corpos. Os crimes aconteceram na década de 50. Gein, descoberto, passou seus dias num hospital psiquiátrico.

As salas de cinema parecem exercitar as minúsculas estruturas neurológicas do cérebro que se excitam e permanecem em franca atividade quando executam ou observam atividades filmadas em cenas cinematográficas de ação intensa ou mesmo de ação moderada.

Segundo o neurocientista Marco Iacoboni, pesquisador da Universidade da Califórnia em Los Angeles, “essas células são de extrema importância para a mente humana e já foram comparadas ao DNA em termos de relevância científica. Os primeiros estudos psicológicos partiam da ideia de que uma mente solitária encara o mundo de forma isolada. Os neurônios-espelhos nos contam outra história. Eles dizem que, literalmente, estamos na mente de outras pessoas”.

É fácil identificar a maneira que essas células funcionam. Quem não possui certo impulso para bocejar ao ver outra pessoa bocejando? Quando um dos pais mostra a língua ao bebê ele o vê responder da mesma forma, espelhando o gesto do progenitor(a).

Os espectadores dos filmes no cinema, assim como os das novelas da TV sentem imediata simpatia ou antipatia por personagens que lhes são mostradas em atuações que espelham as tendências mais íntimas dos espectadores e/ou TVespectadores. A origem dessa identificação ou antipatia são os neurônios-espelhos que nos influenciam e incitam a comportamentos por vezes psicóticos. Tais como os pesquisados acima.

Essas células cerebrais conduzem-nos a ações de natureza empática, ou seja, a agir de forma a satisfazer as tendências emocionais mais íntimas, talvez as trazendo das sombrias cavernas platônicas do inconsciente, ao nível consciente da psique, magnetizando-as para do raciocínio e a percepção lógica e racional.

Esses neurônios-espelhos supostamente identificam e motivam relações subjetivas que se estabelecem entre umas e outras percepções de domínio sensorial diverso. Os neurônios-espelhos possuem a propriedade de penetrar e ler no interior das mentes de terceiros.

Consideremos que os neurônios-espelhos podem promover, a partir das influências positivas ou deletérias das HQs, dos filmes e imagens da TV e da Internet, uma geração de mutações entre crianças e jovens que foram influenciados demasiadamente por imagens desses meios de comunicação e informação. Assim como das mídias impressas tipo jornais e revistas de atualidades.

Esses estudos e pesquisas sobre como agem os neurônios-espelhos são muito recentes e ainda não concluíram com que intensidade eles podem explicar as sugestões e mudanças de comportamentos ditos normais, metamorfoseando-os em atividades neurais psicóticas.

Uma das conclusões a que chegaram os neurocientistas que pesquisam as atividades neurais dos neurônios-espelhos, particularmente o neurocientista Marco Iacoboni (Universidade da Califórnia) é a de que crianças autistas têm atividade mental diminuída dos neurônios-espelhos. Um jogador de tênis, basquete, futebol ou um atleta praticante de qualquer outro esporte, sugere ao espectador de suas atuações desportistas as manhas e o estilo de atividade pessoal com que se conduz em suas disputas nas competições pelas primeiras colocações em torneios.

Iacoboni afirma que “a imitação é um mecanismo constante para o aprendizado porque ajuda a evitar o desperdício de tempo com tentativas e erros”. Essa comprovação da experiência alheia influenciando a experiência comportamental dos espectadores de filmes e entretenimentos outros, via imagens, fornece uma série de dicas do por que o comportamento supostamente ficcional de personagens de filmes desperta atitudes de suprema agressividade patológica em espectadores mais sensíveis à empatia de influências deletérias via neurônios-espelhos.

Estaria a cultura e a civilização globalizadas por ações imagéticas? Ações sujeitas a uma intensa influência de comportamentos motivados pela violência inusitada visível nos monitores das mídias eletrônicas, vistas nas salas de jantar e do cinema? Os neurônios-espelhos estariam prestes a criar um novo modelo de robôs humanos influenciados por personagens cinematográficas de comportamento neural motivado por patologias violentas e influências mórbidas provenientes de simpatias espelhadas por conflitos góticos de há muito arquivados na memória RAM dos espectadores e TVespectadores?


2.8. INTERTEXTOS: realidade e ficções se interpenetram

A atriz Sharon Tate, então mulher de Roman Polansky diretor do filme O Bebê de Rosemary, e mais quatro pessoas, foram mortas por membros de uma seita satânica em agosto de 1969, ano seguinte ao lançamento do filme. Sharon Tate estava grávida, assim como a personagem interpretada por Mia Farrow. Ela, Mia Farrow, faz o papel da jovem esposa manipulada por um grupo de ocultistas praticantes de satanismo que vai parir o Anti-Cristo.

Sociedades secretas e ocultistas, controle mental monarka, assassinatos ritualísticos, fizeram o tititi em torno da adaptação a cinematográfica do romance de Ira Levin filmado por Polansky em 1968. O grupo ocultista que manipulava o marido e a mulher grávida que daria a luz ao filho de Satan, era composto por pessoas da alta sociedade novayorquina. Alta sociedade do “dinheiro antigo”.

O prédio de apartamentos denominado Edifício Dakota (Branford, no filme) faz parte de um conjunto de edifícios habitados pela aristocracia do “dinheiro arcaico”. Essa zona de habitação é considerada a “região de conforto” da aristocracia novayorquina. O Dakota fora local de acontecimentos associados à prática de magia negra e assassinatos rituais. Uma década depois das filmagens do Bebê de Rosemary, John Lennon, morador do prédio foi assassinado no portão central de entrada do edifício.

O fundador da Igreja de Satan, Anton LaVey, desempenhou o papel de Satanás na noite em que a mulher fica grávida do dito. Ele não recebeu os créditos pelo papel na cena da penetração e impregnação de Rosemary. Susan Atkins, membro da família Manson que promoveu o massacre de Sharon Tate (grávida do diretor Polansky) e outras quatro pessoas, fora seguidora de Anton La Vey.

O evento macabro do filme, assim como seus desdobramentos no mundo real, permitiu que os americanos questionassem as boas vibrações (“good vibrations”) da geração que fez acontecer os questionamentos políticos, econômicos e sociais da Década de Sessenta. A juventude até então apenas um conceito sociológico, mostrou ao mundo sua atuação contra a guerra do Vit-Nam, em favor dos direitos humanos e da liberdade de expressão.

Centenas de produções cinematográficas servem para condicionar milhares de espectadores inserindo-os na prestidigitação de personagens que influenciam o comportamento de plateias no mundo globalizado pelas imagens de filmes. Criminosos “de menor” imitam os personagens de filmes de gangsteres dirigidos e produzidos por Tarantino. Mulheres dos “boss” das máfias italianas, assim como adolescentes que seguem a moda em voga, costumam se vestir segundo os modelos divulgados por Uma Thurman no filme Kill Bill: cabelos louros, calças amarelas fosforescentes. Milhares de adolescentes em todos os países imitam os modelitos usados pela personagem Nikita, heroína “killer” dos filmes de Luc Besson.

Dois adolescentes italianos de Casal di Principe, cidade situada nas planícies de Terra di Lavoro, Giuseppe M. e Romeo P., costumavam agredir e, por vezes, matar gratuitamente pessoas enquanto repetiam os diálogos das personagens do filme Il camorrista. Atuavam também nas cidades vizinhas de San Cipriano d´Aversa e Casapesenna, no município de Albanova, pertencentes à província de Nápoles.

Admiradores dos mafiosos do cinema espalhavam medo e terror nos habitantes dessas localidades. Certa vez metralharam um grupo de rapazes, sem que atingissem nenhum. Apenas para provocar medo e mostrar que tinham poder de fogo. Enquanto metralhavam o grupo recitavam a fala da personagem Jules Winnfield de Pulp Fiction, reprodução de um texto bíblico do profeta Ezequiel:

O caminho do homem de bem é cercado de todos os lados pelas iniquidades do egoísmo e pela tirania dos homens maus. Abençoados os que, em nome da caridade e da boa vontade, conduzem os fracos pelo vale das sombras, pois ele é o guardião de seu irmão e o salvador dos filhos perdidos. E eu vou atacar com vingança e fúria os que tentarem corromper e destruir meus irmãos. E quando minha vingança se abater sobre eles, saberão que eu sou o Senhor (Ezequiel, 25, 17).

Os dois rapazes, somadas as idades não chegavam a trinta anos, repetiam, por vezes, os trejeitos e as falas da personagem do filme Taxi Driver, aplicando-se tapas e socos no peito. As denúncias chegaram aos chefões dos lugarejos que, após advertências inúteis,  marcaram um encontro com eles num lugar afastado da periferia. Ansiosos, pensaram que seriam convidados a participar de algum clã do crime organizado da região, mas, ao comparecerem ao encontro, levaram tiros no pescoço e na cabeça. Seus cadáveres foram abandonados no local para que as gaivotas, aves de rapina, cães, ratos e outros predadores locais saqueassem seus restos mortais.

Jovens dessas localidades ainda costumam usar de violência imitativa das personagens de filmes. A empatia com as representações dramatizadas tendo em mente a reprodução por afinidade empática do gestual de mentalidades criminosas tipo Scarface, Donnie Basco, Bonnie and Clyde, Assassinos por natureza, Os bons companheiros, O poderoso chefão, Cães de aluguel, Kill Bill, Amor à queima-roupa, Jackie Brown, Pulp Fiction, entre muitos outros, continuam a influenciar mentalidades despreparadas que não fazem a distinção adequada entre realidade e ficção.


2.9. GERAÇÃO: não mais enquanto intertexto dos antepassados

Uma parte da juventude na Década de Sessenta (“A Década Que Não Terminou”), finalmente começou a fazer jus ao nome mocidade. Reprimida por séculos de inibição à sexualidade espontânea e ao livre pensar, os jovens, com a ajuda das drogas (maconha, barbitúricos e LSD) a parte ativa e pensante de uma geração, fora à luta em prol de seus direitos e em favor de uma percepção livre do mundo que questionasse com novos discursos o comando, comunicação e controle dos objetivos políticos e econômicos do Complexo Industrial Militar americano. Que exerce CCC sobre os militares dos demais países. Não apenas os da OTAN.

Marcuse, escritor francês marxista e leitor de Freud, interpretava o movimento estudantil americano enquanto vanguarda da revolução. A classe operária estava engajada exclusivamente enquanto assalariada do processo de produção capitalista. A classe operária americana não era uma classe pensante nem tampouco revolucionária. As minorias pensantes dos intelectuais, estudantes, das mulheres até então apenas submissas, unidas aos grupos marginalizados pela exclusão social imposta pela dominação política, jurídica e econômica dos governos títeres das minorias raciais, uniram-se em protesto contra a escravização de seus corações e de suas mentes pelos interesses globalizados do capital financeiro.

O proletariado, seduzido pela propaganda de consumo, pensava apenas em ganhar mais dinheiro, comprar seu apartamento na praia e, se possível, uma casa de veraneio. Os filhos da pequena burguesia, assim como grande parte da geração de ascendência burguesa, haviam embarcado no sonho americano quando o sonho americano já havia acabado. O american way of life vivia seu momento maior de agonia com a derrocada da cultura alternativa em decorrência dos acontecimentos policiais agenciados pela Família Manson. Apesar da Família Manson detestar o movimento hippie, este movimento estava na vanguarda do experimentalismo das drogas.

Os acontecimentos de violência ostensiva e perversa, envolvendo ocultismo e drogas, agenciados pela Família Manson em Nova Iorque, foram explorados pela imprensa enquanto decorrência da cultura alternativa. Quando, em verdade não deveria ter havido tal associação. As cabeças dos ocultistas que usavam drogas, nada tinham a ver com os corações e as mentes da cultura alternativa agenciada pelo movimento hippie.

Mas, somavam-se às cinco pessoas chacinadas na casa do casal Polansky em Los Angeles, o assassinato do casal Leno e Rosemary LaBianca no dia seguinte, em outra região da cidade. A comoção social gerada por esses acontecimentos policiais puseram fim às reivindicações de Paz & Amor da juventude nos anos sessenta/setenta. Esses fenômenos patológicos mancharam a imagem pacifista do movimento hippie, o qual a Família Manson abominava.


2.10. REALIDADE E FICÇÃO: intertextos de terror, tragédias, acidentes

Críticos e comentaristas da telona costumam dizer que a bruxa estava solta no set de filmagem desse clássico horror do diretor William Friedkin: o rapaz que vigiava os cenários morreu assassinado a tiros, enquanto um técnico de efeitos especiais morria em circunstâncias suspeitas. Ele trabalhava na refrigeração do quarto da menina possessa do filme O Exorcista.

A atriz Ellen Burstyn (mãe da menina possessa) de O Exorcista — (EUA, 1973), lesionou a coluna na cena em que fora jogada distante pela filha. Linda Blair, após interpretar o papel da criança irada e metamorfoseada em formas horríveis e aterrorizantes por capetas rabudos que afligiam seu sistema nervoso central, ficou obesa e chegada em etanol e drogas. Como toda droga, é “pesada”, não sejamos metafóricos, metonímicos nem eufêmicos.  Linda Blair metamorfoseou-se também em vegana, amiga de veganismo da também atriz Jennifer Lopez.

Outros incidentes no set de filmagem de O Exorcista: um carpinteiro serrou o dedão do pé esquerdo e outro cortou o polegar da mão direita. Talvez ambos fossem descuidados masoquistas e tenham cortados os próprios dedos por acaso. Dois compositores que haviam se negado a fazer a música do filme morreram: Michael Kamen (Máquina Mortífera, X-Men) de enfarte agudo do miocárdio ou ataque cardíaco fulminante. E o diretor John Frankenheimer (Operação França II, Ronin) vítima de um acidente vascular cerebral (AVC) um mês após descartar os produtores do filme.

A atriz Dominique Dunne no papel da adolescente Dana Freeling fora estrangulada pelo namorado logo depois da estreia do primeiro filme Poltergeist, O Fenômeno — (1981). Ele ouvia a música do filme em volume máximo de modo a abafar os gritos da atriz. Duas baixas a curto prazo fora o saldo do segundo filme da série, O Outro Lado — (1986):

O ator Julian Beck (reverendo Kane) morreu após começarem as filmagens, depois, Will Sampson (índio funcionário da família Freeling), de um transplante cardíaco. No terceiro filme da série Poltergeist — (1988), a menina Heather O´Rourke (Carol Anne), morta de uma doença intestinal congênita por desleixo médico. Ela tinha doze anos. Substituiram-na por uma dublê.

O filho do ator Gregory Peck (personagem pai do Anticristo) no filme A Profecia — (1976), praticou suicídio. Dois figurantes foram mortos por animais que participavam de cenas. Um deles fora despedaçado por um cão, outro, por um tigre. O técnico de efeitos especiais, John Richardison, perdeu o controle do carro em que viajava com a namorada.

O carro precipitou-se de uma rampa à beira da estrada e a namorada fora literalmente degolada (exatamente) como a personagem do filme em cenas produzidas pelo diretor Richard Donner. A mais macabra das coincidências ocorreu quanto ao nome do lugar do acidente: nele, uma placa indicava a distância até a cidade de Ommen. O título do filme em inglês chama-se The Omen.

Há interferências de seres interdimensionais em acontecimentos bizarros ou estranhos? Ocorrências no mundo real são resultado das verossimilhanças intertextuais entre realidade e texto ficcional?  Os fenômenos parapsicológicos são uma consequência da atuação dos neurônios espelhos? Espelhos de influências vindas de outras dimensões além-humanas? Este mundo real é um lugar constantemente influenciado pela dimensão post-mortem? As “faíscas quânticas” (almas) seriam as partículas de luz que se desprendem do corpo físico humano após a morte, e se dirigem a um lugar comum a todas essas partículas dos mortos que possuem carma semelhante?

Descrita em termos mais simples, a quarta dimensão ocupa a frequência vibracional que atua imediatamente acima de nossa realidade física. Isso inclui os humanos dos reinos os quais nos referimos entre Céu e Inferno, para onde são enviadas almas humanas depois da morte do corpo físico. Seres da quarta dimensão não são físicos, mas também não são imortais. Eles estão aprendendo a partir de vários estudos de prazer e dor, preparando-os para seu próximo nascimento humano, a sua próxima oportunidade para alcançar a libertação do ciclo de nascimentos e mortes necessário ao crescimento espiritual. Seres da quarta dimensão podem agir em transição entre a vida física e a morte. Alguns compartilham informações com exploradores de fenômenos psíquicos... A informação proveniente deles, seres quadridimensionais, é limitada... Eles estão da mesma forma que os humanos do mundo físico, perdidos e confusos (KLEIN, 1990).

Aqueles que se julgam muito espertos, materialistas de carteirinha, fecham-se à ideia supostamente científica de que há dimensões nas quais convivem diferentes formas de textura da matéria. Einstein dizia: “a Mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao conteúdo original”.

Mesmo no século XVII, a representação do pensamento a partir do conceito Deus, e de sua implícita negação, define a dialética de coexistência entre Extensão e Pensamento enquanto substância de atributos infinitos. Multidimensionais! Podemos afirmar hoje, agora, na vigência do século XXI, após as conquistas da Física quântica, a coexistência entre dimensões diversas do existir de dimensões além da Quarta dimensão tempo, em diferentes instâncias outras do espaço tempo. Instâncias essas que, para a compreensão científica de sua harmoniosa unicidade teria de ser afirmada por uma mentalidade ora inconcebível, ultra-humana.

2.11. INTERTEXTOS E SEUS SIGNIFICADOS CONATUS: literatura, filosofia, matemática, física, metafísica, interdependência entre juízo de realidade & juízo da ficção

Espinosa (Spinosa) usava definições de conceitos que se assemelhavam às definições cartesianas. Mas suas conclusões são radicalmente diversas:

Foi durante esse mesmo Século XVII que dois grandes filósofos decidiram retornar às reflexões sobre as relações entre a existência humana e a ordem universal. Ambos partiram das mesmas noções matemáticas de Galileu para pensar sobre a relação entre a existência humana e a matemática da natureza. Descartes afirmou que a razão humana tem um poder único em todo o universo: o poder de compreender e reproduzir os mesmos cálculos e os mesmos números com que Deus ordenou o mundo. Spinoza, tendo lido a obra de Descartes, decidiu escrever uma Ética na linguagem da geometria. Apesar de tratarem dos mesmos temas –  Deus, a razão humana e a ordem da natureza – Spinoza e Descartes chegaram a conclusões bastante diferentes a respeito da existência humana. Para Descartes, o ser humano se relaciona de tal modo com um Deus Criador que sua alma racional pode continuar existindo mesmo que sua natureza corpórea desapareça. Já Spinoza chegou a uma conclusão oposta. Para ele, Deus e natureza são uma mesma e única realidade – o que significa que a existência humana está inteiramente ligada ao determinismo natural (MATHEUS, 2013).

Spinosa afirmava que a substância é “aquilo que existe em si mesmo”. Deus é livre porque determina a si mesmo. Deus é infinito, “uma substância que consiste em infinitos atributos infinitos” Deus, em consequência, é multidimensional. Dele fazem parte fenômenos físicos e parafísicos, psicológicos e parapsicológicos, assim como a criação e manifestação de seus opostos: os demônios ou anjos caídos.

Os seres humanos estão a viver numa dimensão da matéria que lhes permite flutuar numa realidade que oscila constantemente entre sensações prazer e dor, ciência e mistério, humano e inseto, deleite e horror: a ciência quântica tende à afirmação de que é possível a existência de substâncias imateriais semelhantes e simultaneamente equidistantes, convivendo em corpos antropomorfos, nos diferentes universos paralelos. Extraterrenos. E em diferentes planetas de outros sistemas solares.

Hegel dizia que a filosofia moderna começou com Spinosa, ou seja, “ser um seguidor de Espinosa é o começo de toda a filosofia”. Goethe teria elegido Spinosa filósofo de sua predileção e afirmava que ele, não negou a existência de Deus, mas que afirmou a mais minuciosa unidade entre Deus e a existência humana.

Em fins dos setecentos Spinosa, considerado ateu, sofreu ataques sistemáticos de instituições religiosas por meio de seus arautos eclesiásticos que não simpatizavam com a versão filosófica e abstrata de Deus defendida por Spinosa. Ele não acreditava em vida post-mortem, mas teria inspirado Goethe a escrever Fausto, obra-prima da literatura alemã do século XIX.

Nela, obra-prima, o demônio Mefistófeles chega-se ao cientista ancião doutor Fausto, aproveitando-se de sua velhice e de suas frustrações em decorrência de conhecimentos muito aquém dos que gostaria de ter, ajustam ambos, Fausto e Mefisto, a cessão da alma do doutor em troca de uma sabedoria que o conduziria ao rejuvenescimento do corpo e a obtenção da força física e anímica para desfrutar da sensualidade e da dedicação da mais bela donzela concebida por seus desejos e imaginação.

Mefistófeles no medievo era conhecida encarnação do mal. Como todo mal, opunha-se ao bem e a seu representante maior: Deus. Aliado de Lúcifer (Lucius) na incansável e infinita luta pelo predomínio aliciante de sua vontade sobre os indefesos seres humanos, Mefisto, meio humano meio capeta, estaria sempre disposto ao aliciamento da natureza humana sob a influência de sua força transcendente de sedução.

O objetivo de Lúcifer/Mefistófeles não é outro senão o de seduzir e suborná-los (os seres humanos) através da exploração de suas necessidades e da corrupção de suas vontades por sua suposta força pessoal e poder político, econômico e jurídico coletivo (governos). A subordinação da cultura e da civilização por essa dominação luciferina é causa de todos os fenômenos mórbidos, psicológicos e parapsicológicos verificados atualmente em todos os países do mundo globalizado pela intencionalidade midiática.

Na versão final do Fausto de 1832, ele chega ao Paraíso. Por ter perdido apenas a metade do pacto efetuado com o demônio, os anjos, enquanto mensageiros da vontade divina, vaticinam ao final do Ato V: “Cantemos em coro/Da vitória a palma/O ar está puro/Respire esta alma”. Dessa forma conduzem a alma imortal de Fausto ao Céu, em decreto divino à derrota do funesto Mefistófeles.

Conatus, ou substância infinita em infinito movimento, é conceito central do paradigma filosófico de Spinosa. É a partir dele que sua particular noção de Deus deu origem à sua Ética. Conatus é a tendência ao aprimoramento infinito da mente humana, de seus sentidos e, quem sabe? Espinosa poderia estar a sugerir a criação de outros sentidos complementares aos cinco sentidos humanos, de modo que mente e matéria pudessem lidar com as forças transcendentes do universo de forma não destrutiva.

Conatus, conceito filosófico fundamental para a compreensão da filosofia de Spinosa, forneceu prestígio e crédito ao pensamento de Schopenhauer, assim como ao conceito nietzschiano de Vontade de Potência. Vontade esta que teria inspirado a política de dominação da nação alemã sob comando, comunicação e controle da diarreia psicótica do ditador alemão Adolf Hitler. Nietzsche teria inspirado, com seu conceito filosófico proveniente da Ética de Spinosa (Vontade de Potência), todo o aparato bélico a serviço da tentativa de dominação nazista do planeta contida pelos exércitos Aliados.

O que conduz o homem à liberdade de viver e de pensar é o Conatus. Gregor Samsa, na impossibilidade de continuar seu desenvolvimento humano, em direção às conquistas posteriores de uma vida humana, impedida de acontecer pelas ingerências do poder do patrão e do poder de pressão familiar, metamorfoseou-se em inseto. Regrediu da forma antropomorfa para a outra do filo artrópode, considerada mais adequada às suas limitações de Homo sapiens/demens.

O impulso da personagem kafkiana Gregor Samsa em direção à liberdade individual fora estancado. Sua vida não mais era sua. Seu tempo pessoal fora apropriado pela empresa de tecidos e pelas solicitações familiares. Seu Conatus, a essência da liberdade individual, fora encarcerada na camisa de força da rotina do trabalho assim como pelas exigências familiares. Sua Vontade de crescer emocional, intelectualmente, espiritualmente, e de ter sentimentos não infantilizados pela cultura vigente, fora tolhida por obrigações contrárias à sua realização enquanto ser humano. Cercado por uma cultura antropomorfa de insetos, nada lhe restou senão uma essência regressiva rumo à forma artrópode.


2.12. INTERTEXTO SOBRE SUBMISSÃO POLÍTICA, JURÍDICA E CULTURAL: Hitler, democracia e mídias no universo coisificado da alienação globalizada

O mundo são as vontades e suas representações. As vontades rumo à realização frustrada do desejo de poder. O homem não pode realizar seu desejo pessoal sem entrar em conflito com o desejo pessoal do outro. Ambos os desejos: o do primeiro sujeito e o desejo conflitante com os interesses do outro, que também deseja realizar-se. Mas o homem não possui apenas o outro exógeno, o outro também está em seu interior. E os conflitos se materializam de dentro para fora e de fora para dentro. Por quê?

Porque a objetivação da vontade pessoal exclui a objetivação da vontade coletiva. O homem não trabalha em prol de sua própria espécie. Ele trabalha em proveito próprio. Não há, em última instância, vontade coletiva. Por quê? Porque se cada um trabalha em próprio proveito, toda atividade coletiva está empenhada no interesse conflituoso de um contra o outro e de todos contra todos, como diria o autor de Leviatã.

A verdadeira intimidade do homem está em que ele não pode ser ele mesmo. Esta, sua verdade mais íntima. Se ele não pode trabalhar em proveito de sua espécie, ele não pode trabalhar em proveito próprio sem ferir seus interesses mais íntimos. Como diria Hobbes: “O verdadeiro e o falso são atributos da linguagem, não das coisas. Onde não há linguagem não há verdade nem falsidade”.  

A linguagem do Estado Leviatã dos insetos antropomorfos se afirma no uso e no abuso da corrupção institucional. Os Três Poderes existem, no Estado Leviatã, para a defesa do usufruto dos interesses particulares das oligarquias políticas e jurídicas sob comando, comunicação e controle do Estado Leviatã. O Estado Leviatã é gerido pela essência inseto do Homo demens.

Nesse Estado não há possibilidade do homem defender princípios que garantam sua liberdade. Liberdade de pensar e de agir conforme seus pensamentos e a sua pessoal humanidade. Sem humanidade pessoal inexiste humanidade coletiva. E vice-versa.

Os corpos humanos não precisam de uma causa para entrar em movimento? Se eles não tivessem uma causa pertinente à sua Vontade, como poderiam motivar-se a comer, beber, trabalhar, dormir, despertar, amar, divertir-se? Hobbes escreveu Sobre O Corpo, Sobre O Homem e Sobre O Cidadão. Ora, não há poder sobre a Terra que tenha condições de se insurgir contra o Estado Leviatã Tecnológico. Gerido pela essência coisificante e pulsional própria dos insetos.

Este Estado Leviatã Tecnológico não admite a possibilidade individual de o homem exercer sua liberdade. Pessoal. Na impossibilidade de exercer a liberdade individual de humanizar-se ao mesmo tempo em que evoluiu enquanto ser político, econômico e social racional, como poderia haver um Estado, senão Leviatã? Um Estado gerido pela essência artrópode. Pelo inconsciente coletivo dos insetos.

Como poderia o homem sob a dominação dos interesses particulares do Leviatã artrópode sapiens/demens criar uma sociedade de princípios e realizações dos direitos básicos do cidadão?  sem cidadania? Neste Estado Artrópode Leviatã a liberdade individual existe apenas enquanto discurso. Enquanto linguagem vive-se numa democracia. Enquanto realidade pulsional vive-se para a afirmação da coletividade das borboletas, formigas, abelhas, vespas, gafanhotos, mosquitos, cupins, mariposas, aranhas.

Enquanto realidade as pessoas representadas pela tentativa malograda da Vontade  frustrada de Gregor Samsa em trabalhar e viver a vida, ao mesmo tempo que é impedido de humanizar-se, estão no caminho de se metamorfosearem em marginais periculosos, militantes das lutas, pessoais e coletivas, cada vez mais renhidas, pela supremacia da Vontade de Ter. Essa Vontade de Ter que os impele ao uso e ao abuso da violência na tentativa de aquisição de bens por meio maquiavélico que justificam os fins da marginalidade, do roubo, do assalto, do sequestro, do homicídio, e de formas não violentas, mas aceitas, de burlar as leis (crimes do colarinho branco).

Na sociedade antropomorfizada dos insetos, há preponderância pelo Ter. O senhor Mercado do Ter, regido pelo Leviatã Estado, a impossibilidade da formação educacional conduz milhares de milhões de insetos antropomorfos (pela impossibilidade de humanizarem-se) desprovidos de educação elementar e média pertinentes à sustentação existencial, racional, consciente do Conatus spinoseano. Inexiste possibilidade de evolução pessoal em direção ao humano. A regressividade é uma lei, um imperativo categórico da espécie Homo demens/inseto.

O Estado existe para garantir a liberdade pessoal dos cidadãos que reconhecem e defendem a própria cidadania. O Estado Leviatã Tecnológico existe para disseminar entretenimento de baixo nível às pessoas, de modo que essas não possam reivindicar condições, pessoal e coletiva, de humanidade. E se contentem em consumir mercadorias como se fossem, elas mesmas, insetos antropomorfos, ou a massa que passa nos projetos (sempre) do futuro. Pessoas sem cidadania, agentes financeiras do consumo de mercadorias. O Mercado a serviço do Estado Leviatã. Dos insetos antropomorfos.

O Estado Leviatã Tecnológico dos insetos antropomorfos abusa da condição de realização da Vontade de Poder de oligarquias que, de modo algum (nem de longe) trabalham para a realização da humanidade das pessoas. Dos cidadãos, mas, ao contrário, o Estado Leviatã está ocupado em metamorfoseá-las em insetos. Um cidadão sem educação inexiste. Inexiste enquanto consciência de seus direitos. As grandes maiorias de cidadãos sem cidadania estão a despertar para essa realidade do Leviatã Estado roubando descaradamente as oportunidades de humanização e de vida. Joseph Goebbels

O Estado Leviatã joga as pessoas sem cidadania no lixo da história. E seu ministro da Cultura neste país, o ministro da Cultura do Estado Leviatã, do “Governo das Sombras” da presidente Dilma Pasadena e de sua “irmã” ideológica, a presidente da Petrobrás, Graça Foster Pasadena, está a mimetizar a fala de Joseph Goebells, a sua notoriamente nefasta frase de efeito: “Quando me falam em cultura em puxo um talão de cheques”: é o que o ministro da Cultura atual parece dizer: “Quando me falam em educação em puxo os trinta dinheiros da Bolsa-Família”.

— “Quando me falam em educação eu puxo os trinta dinheiros da Bolsa-Família”! Ao parodiar as atrocidades impostas pela gerência da política do Estado Leviatã, o ministro da Educação e o da Cultura desse país estão a manter a esmola desses trinta dinheiros visando calar a boca das famílias e de seus descendentes por muito tempo ainda, de modo que continuem aceitando esse arremedo (que mete medo) de educação e distribuição de esmolas, essa paródia da propaganda nazista que afirma ser o Bolsa-Família um programa que levanta a moral da educação nesse país.

Como pode haver educação com professores ganhando menos que jogadores de futebol? Só se for uma educação de insetos. Como pode haver propaganda da educação senão por um Estado Leviatã Enganador? Se ela, a educação, está oficialmente orientada para chutadores de bola com educação formal irrisória, sem liberdade para depor em favor de seus conterrâneos nas galeras dos estádios de futebol. Em suas entrevistas cheias das mesmas expressões tinhosas, das mesmas meias palavras. Do zunido impertinente dos insetos das crônicas esportivas dos heróis das chuteiras do Estado Leviatã Tecnológico.

Tal qual Hobbes, Kafka poderia ser classificado enquanto “Autor do Medo”. Afinal, seu livro de terror “A Metamorfose” é impactante e verossímil, do ponto de vista dos costumes, da consciência e da racionalidade, tanto quanto histórias de terror escritas por autores de ficção científica (Allien, O 8° Passageiro, entre muitas outras), ou de histórias de terror/suspense/horror: Edgar Allan Poe, Stephen King. H. P. Lovecraft, Bram Stoker, Clive Baker, Mary Shelley, Dean Koontz, Jonathan Maberry, Richard Mateson, Anne Rice.

O Estado Leviatã Tecnológico dos insetos cada dia mais ultraviolentos, que matam, roubam, sequestram, com armas cada vez mais sofisticadas, muitas delas de propriedade exclusivas das forças armadas. A insegurança no Estado Leviatã Tecnológico é uma força ascendente que, igual a um tsunami, faz cada dia mais vítimas. Seus assaltos e sequestros relâmpagos já são rotina no dia a dia dos cidadãos sem cidadania. E a “elite” desse Estado, dito republicano e democrático, se isenta de qualquer responsabilidade quanto a fornecer instrumentos de promoção social na educação. Na saúde...

Quantos milhares de Gregor Samsa existem nesse país? Quantos milhões? A novela de Kafka é um texto de terror? Sim! Porque esse terror, essa “A Metamorfose”, está sendo vivenciada por milhões de pessoas. Cada uma delas deseja que a vontade pessoal de ser alguém prevaleça. Mas como? Se ser humano, com direitos de cidadania, é uma impossibilidade imposta pelo Estado Leviatã da Tecnologia?


3.  FIM DE JOGO – CONCLUSÃO
3.1. Condicionamento neural destrutivo atuando no set de filmagem (4ª dimensão?)

Existem fenômenos estranhos, manifestações paranormais inegáveis (contra evidências inexistem argumentos pertinentes). A ciência ortodoxa por vezes se predispõe à negação do que ela mesma visualiza, mas não pode comprovar em termos de experimentalismo científico. Pessoas com tendência ao ceticismo (algumas se acham mais reais do que a realidade) não poucas vezes mudam de opinião ao visualizarem fenômenos de natureza estranha para elas inexplicáveis. Mas inegáveis.
A Parapsicologia investiga fenômenos paranormais: telecinésia, telepatia, retrocognição, clarividência, projeção da consciência, precognição, tanatologia, reencarnação, mediunidade, percepção extrassensorial, conhecimento sobrenatural, experiências multidimensionais.

Fenômenos que ultrapassam as explicações das leis naturais acontecem todos os dias em todos os lugares. O cepticismo, uma atitude doutrinária, defende a opinião de que a subjetividade humana não consegue ter certeza no domínio da verdade (exceto as parciais, nos fenômenos observados através da experiência científica). Não são poucas as histórias contadas pela tradição oral que foram objeto da “ficção” de autores literários.

Uma dessas histórias, associada ao fenômeno de reencarnação (e/ou animismo), fora escrita por Henry James (A Outra Volta Do Parafuso), americano de Nova York. Em 1861 começou os estudos superiores na Faculdade de Direito de Harvard. Em 1900 concluiu um livro no gênero Conto. Dentre os vinte contos editados na época estava este, mencionado entre parênteses.

O conto começa numa reunião de amigos em volta da lareira de uma residência londrina. Douglas, um partícipe do encontro, diz ter conhecimento de uma história de terror que ultrapassa os limites do horrível por ser uma história real. Despertada a curiosidade dos partícipes, Douglas informa a eles que a história fora revelada por uma senhora sua conhecida que, antes de morrer, resolveu escrevê-la. Não poderia contá-la na ocasião porque o manuscrito havia ficado em outro local da cidade onde teria de  buscá-lo. Quando estivesse com o mesmo em mãos, voltariam a reunir-se para a comprovação da história.  

A Outra Volta Do Parafuso conta a história de uma jovem preceptora numa propriedade de Bly, Essex, subúrbio de Londres. É contratada pelo tio e tutor de duas crianças cujos pais haviam morrido na África. As crianças, Miles e Flora, são parcialmente controladas (animismo e/ou reencarnação) por um casal de criados anteriormente mortos na casa em circunstâncias suspeitas. O casal de fantasmas deseja reproduzir as investidas sexuais de ambos usando para isso os corpos do casal de crianças.

As duas aparições fantasmagóricas modificaram o comportamento e a linguagem do menino e da menina. A preceptora desejava fazer sustar as influências animistas, mas, para isso, deveria vencer a desconfiança existente entre ela e os infantes em decorrência das diferenças sociais e do consequente distanciamento imposto pelas classes sociais.

O roteiro do filme, originado no livro, no Brasil teve por título Os Inocentes. Supostamente baseado em fatos, Henry James teve conhecimento da história de terror/horror dessas crianças quando sua família mudou-se para a Europa, através de seu irmão, William James, estudante de filosofia na Universidade de Berlin (1867/68), tendo-se graduado posteriormente em medicina na Universidade de Harvard onde fora professor de fisiologia e anatomia, tornando-se nela, UDH, professor-assistente de Psicologia em 1876.

Não se pode dizer desses irmãos James, ou de sua família, que eram pessoas humildes e, por isso mesmo, chegadas a crendices e superstições. Após sua adesão ao pragmatismo filosófico William James, por muitos considerados “o pai da Psicologia Americana”, fora também um dos pioneiros nos estudos experimentais da Parapsicologia. “Channeling” ou “canalização” é um processo parapsicológico em que a “faísca quântica” de alguém que morreu (ou outra entidade não física) fala e/ou age através de um médium, ou pessoa sensitiva.

Crianças são particularmente sensitivas e não especialmente sensitivas no livro de Henry James A Outra Volta Do Parafuso. Os fantasmas do casal que as importunam na mansão dos pais mortos, na qual estão à mercê de suas investidas, estão a amadurecer um processo de canalização que poderá se tornar, com o amadurecimento da possessão (e/ou encarnação, e/ou canalização, e/ou posse) crônico e irreversível. É isso que a preceptora da menina e do menino quer impedir que aconteça.

Crianças entregues à influências mórbidas por meio de uma sexualidade doentia (se foram vítimas contumazes de abuso sexual na infância, p. ex.), são particularmente induzidas por entidades associadas a perversões sexuais, a se metamorfosearem numa espécie de xerox ou intertexto da sexualidade dessas “faíscas quânticas” que atuam através da mediunidade e necromancia, envolvendo a canalização de padrões de esgotamento anímico das forças de personalização de crianças pré-adolescentes. Essas influências são muito humanas. Humanos preparam essas crianças em rituais de intimidade familiar, para, quando se tornarem adolescentes, aceitarem a manipulação de uma cultura adulta mobilizada em fazer valer seus (dela, cultura adulta), interesses. Seres ditos espirituais (“faíscas quânticas”) têm atuação facilitada nessa dominação gradativa (por vezes definitiva) de seus corpos, de seus corações e de suas mentes.

A Igreja católica através de seus padres pedófilos e de instituições tipo Opus Dei, exercem uma política inserida nos anais da “Teoria da Conspiração” como sendo responsável pelo Pacto Satânico de Roma que, de há séculos, com a conivência de parte substancial do clero e de associações com sociedades secretas, vem incentivando práticas pedófilas para não apenas arregimentar, mas sacrificar no altar negro de suas intenções, gerações e gerações de crianças sob a tutela de famílias com práticas seculares de técnicas de pedofilia.

Nos Estados Unidos a Duke University, instituição privada localizada em Durham, na Carolina do Norte, teve suas raízes na pesquisa parapsicológica desenvolvida desde 1837. Este termo, Parapsicologia, teria sido pronunciado pela primeira vez em 1889 por Max Dessoir para classificar em grupos os resultados dos estudos científicos sobre fenômenos ditos transcendentais. Fenômenos esses fora dos domínios da Psicologia habitual. Anteriormente, a Parapsicologia fora conhecida por estudar em caráter filosófico e experimental a origem, estrutura e função das “faíscas quânticas” na realidade da espécie Homo sapiens/demens.

A Duke University, uma das mais prestigiadas universidades do mundo da Copa do Mundo, classificada entre as 10 melhores instituições de ensino superior dos Estados Unidos, conta entre seus membros atuais Melinda Gates. A dotação anual chega a mais de cinco bilhões de dólares que são investidos por seus conselheiros de investimento.

No Brasil, a Doutora Angélica A. Da Silva Almeida, publicou Artigo de conclusão de curso: O Olhar Dos Psiquiatras Brasileiros Sobre Os Fenômenos De Transe E Possessão, no qual disserta sobre a obra de Pierre-Marie Janet, um nome precussor da psicologia experimental no livro O Estado Mental Das Histéricas. Nele, Janet desenvolve modelos explicativos do estreitamento, integração e fraqueza psíquica delas, histéricas, expondo, também, as noções de campo de consciência em decorrência dos  mecanismos psicológicos da psicastenia. Este é o Resumo do Artigo:

Contexto: Os fenômenos de transe e possessão despertaram o interesse da comunidade psiquiátrica brasileira, gerando posturas diversificadas. Objetivos: Descrever e analisar como os fenômenos de transe e possessão foram tratados pelos psiquiatras brasileiros: seu impacto na teoria, na pesquisa e na prática clínica entre 1900 e 1950. Método: Análise de artigos científicos e leigos, teses e livros sobre transes e possessões produzidos pelos psiquiatras brasileiros entre 1900 e 1950. Resultados: Identificam-se duas correntes de pensamento entre os psiquiatras. A primeira, vinculada às Faculdades de Medicina do Rio de Janeiro e São Paulo, sob forte influência de autores franceses, deteve-se mais na periculosidade do espiritismo para a saúde mental. Defendia a adoção de medidas repressivas com o poder público. O segundo grupo de psiquiatras, ligado às Faculdades de Medicina da Bahia e Pernambuco, embora não desconsiderasse o caráter patológico ou “primitivo” dos fenômenos de transe e possessão, apresentou uma visão mais antropológica e culturalista. Considerando tais fenômenos como manifestações étnicas ou culturais, alguns defenderam o controle médico e a educação do povo para o abandono dessas práticas “primitivas”. Outros não consideravam os fenômenos mediúnicos como desencadeadores da loucura, mas manifestações não-patológicas de um universo cultural, além de não vinculá-los ao atraso cultural da população. Conclusões: As religiões mediúnicas foram objeto de estudo por longo período, resultando hipóteses e práticas diferenciadas por parte da comunidade psiquiátrica brasileira, constituindo-se oportunidade privilegiada para o estudo do impacto dos fatores socioculturais na atividade psiquiátrica (ALMEIDA, 2007).

O caráter patológico ou primitivo dos fenômenos mediúnicos e paranormais não se constitui motivação para excluí-los e negá-los, por preconceito, em suas manifestações que se afirmam de várias maneiras em seu universo cultural.

É evidente que o atraso das etnias familiares descendentes de uma formação cultural tipo Bolsa-Família, resulta em práticas socioculturais que multiplicam a insegurança da sociedade, e tendem a provocar manifestações comportamentais tipo os atuais “rolezinhos” que, não raras vezes degeneram em conflitos, violência e confrontos com as forças de segurança de shoppings assim como contra a reação das polícias.

As instituições sociais de repressão estão inseridas na patologia primitiva das sociedades que não foram educadas para a ordem e a manutenção dessa, mas, para a pulsional violência entre grupos, todos igualmente habituados à aceitação de uma formação cultural (educação) que conduz esses grupos ao confronto, sem que eles questionem, com mais veemência, as forças sociais os conduzem a se combaterem pela violência pulsional, até a morte.

Orwell afirmou em seu “1984” que nos esquemas estabelecidos pelos governos autoritários, os partidos políticos sob o comando, comunicação e controle dos poderes, não apenas em países reconhecidamente autoritários, mas em países de suposta tradição republicana e democrática, o Lema dos partidos políticos, traduzido de seu palavreado demagógico de palanque, quer dizer, em tradução literal e explícita: “Guerra é Paz. Liberdade é Escravidão. Ignorância é Força”. Democracia é Autoritarismo Oligárquico. A democracia que a sociedade brasileira vive no momento poder-se-ia se chamar, com propriedade, nos compêndios sociológicos e políticos, de “ditadura da corrupção”.

Sabemos que sem saúde física e mental pertinentes à cidadania de um povo eleitor, as ruas das cidades tendem a ficar inflacionadas pela insanidade da violência exercida pelos que se sublevam em decorrência de uma condição social abaixo dos padrões mínimos de qualidade geridos pelos serviços públicos acima mencionados: educação, saúde, mobilidade urbana, habitação sem saneamento básico, insegurança. A baixa qualidade do entretenimento social (TV, cinema, quadrinhos) afirma a baixa qualidade da formação cultural desses grupos sociais que se combatem pulsionalmente.

As concessões dos conglomerados do entretenimento parecem não ter compromisso com a cidadania e a qualidade de percepção de seus TVespectadores subordinados ao controle remoto do mundo da sala de jantar do sofá. Os conglomerados de mídias reforçam a condição de baixa autoestima, carência de respeito e amor-próprio das pessoas submersas nessas condições sociais aviltantes nesses países: os desenvolvidos e os subdesenvolvidos no submundo das patologias elementares. Primitivas.

Aonde quer que os poderes republicanos exerçam influência política, econômica, social e jurídica, a democracia republicana se caracteriza por eventos sempre movidos pela Vontade de Corrupção. Essa Vontade política disseminada nos poderes que induz as pessoas, os eleitores sem cidadania, à regressividade da condição psicológica e à retroatividade kafkiana de Gregor Samsa.

Lembremos-nos de Morin e de suas dicas pedagógicas que justificam uma educação universalizante. Uma educação que venha a rasgar as convenções e os paradigmas que, nas escolas do ensino fundamental, médio e dito superior, disseminam o isolamento e a separação entre ciências humanas, exatas e da natureza. O conhecimento especializado está restrito a profissionais que dominam uma única área. Em detrimento das outras ciências. Em detrimento da disseminação do conhecimento. Da Gnose.

Mas, mesmo a partir do conhecimento multidisciplinar, como o homem poderá se libertar das leis Físicas? Segundo Kant, não estando imerso no mundo físico. O homem não seria um ser determinado pelo espaço. Este, é forma “a priori” da intuição sensível exerna. O conhecimento é condição da possibilidade de experiência, isto é, independe da experiência para justificar sua própria origem. Categorias e conceitos estabelecem as conexões do que se manifesta no espaço. Na Crítica da Razão Pura Kant afirma-se agnóstico.

Na Crítica da Razão Prática Kant afirma a liberdade pessoal enquanto a realidade maior do sujeito. Liberdade essa apenas encontrada em sua criatividade cognoscível. Perguntamos se a toda criatividade pode ser cognoscível. A resposta é sim. Se existe enquanto postulação, existe enquanto realidade transcendente. Um postulado é uma proposição não evidente: não precisa ser manifesta nem provada.  

Kant negou que o sujeito transcendente (condição “a priori” da objetividade) fosse real. A liberdade de criação kafkiana pode ser considerada “factum” autoral em razão da existência prática, literária, de seu personagem Gregor Samsa. Gregor Samsa é um milagre narrativo que sugere uma incorporação ao leitor. Ao leitor criado no âmago significativo da condição existencial dos costumes mais habituais no ambiente familiar e do trabalho profissional deste, que fundamenta literariamente a essência mais íntima do ser humano, sua realidade pessoal e social mórbida e inquestionável: ser integrante da cultura dos insetos.


 
REFERÊNCIAS


ALMEIDA, A.A. Silva de; ODA, Ana Maria G. R.; DALGALARRONDO, Paulo, Artigo: O Olhar dos psiquiatras brasileiros sobre os fenômenos de transe e possessão. Disponível em: http://www.revistasusp.br/rpc/article/viewFile17119/19118. Acesso em junho de 2014.

ARSUAGA, Juan Luis, El Collar Del Neandertal, 2ª Edição. Edições Plaza y Janés, Barcelona, 2002. Disponível em <http://www.es.wikipedia.org/wiki/hombre_de_Cro-Magnon>. Acesso em novembro de 2014.

ASSIS, Francisco de Almeida Brasil, A Nova Literatura (O Romance), Ensaio, Editora Cia. Editora Americana, Rio de Janeiro, 1973.

BARCO, Luiz, A Quarta Dimensão Que Ninguém Enxerga, Artigo editado na revista Superinteressante, Abril Cultural, São Paulo, 1992.

BARTHES, Roland, O Prazer Do Texto, Perspectiva, São Paulo, 1987.

BERNSTEIN, J., As Ideias de Einstein, Cultrix/Edusp, São Paulo, 1975.

CARR, L., Iacoboni, M., Dubeau, M. —C., Mazziotta, JC e Lenzi, GL., Os mecanismos neurais da empatia nos seres humanos: um relé de sistemas neurais para a imitação de áreas límbicas, Proceedings of the National Academy of Science, EUA, 100:5.497-5.502, 2003.


CARVALHO, Joaquim de, Artigo: Introdução À Ética De Espinosa, texto disponível em <http://www.joaquimdecarvalho.org/artigos/artigo/82>. Acesso em outubro de 2014.

CARVALHO, Edgard de Assis: Edgar Morin, A Dialogia De Um Sapiens/demens, Revista Margem, n° 16, pp. 167/170, PUC São Paulo, dezembro, 2012. Artigo disponível em <http://www.uesb.br/labtece/artigos/edgarmorin> também disponível em <http://mariliacoltri.blogspot.com.br/2012_08_03_archive.html>. Acesso em outubro de 2014.

CARVALHO, L. A. Vital de, O Conceito de Pulsão em Psicanálise, Petrópolis, 2004. Disponível em <http://www.cos.ufrj.br/~alfredo/classnotes/TEORIADAPULSAO.pdf>. Acesso em outubro de 2014.

CIMENT, Michel, Conversas com Kubrick, Cosac Naify, São Paulo, 2013.

CLARKE, Arthur C. 2001: uma odisseia no espaço, Aleph, São Paulo, 2013.

CURY, Augusto, Ansiedade, Saraiva, São Paulo, 2014.

DESCARTES, René, Meditações, São Paulo, Abril Cultural, 1973.

DESCARTES, René, Objeções E Respostas, Coleção Os Pensadores, Abril Cultural, São Paulo, 1973.

DESCARTES, René, Princípios da Filosofia, Editora UFRJ, Rio de Janeiro, 2002.

DESSOIR, Max, Ocherk istorii psichologii, Edições São Peterburgo, São Peterburgo, 1912. Disponível em <http://encyclopedia2.thefreedictionary.com/Max+Dessoir>. Acesso em outubro de 2014.

EINSTEIN, Albert, Como Vejo O Mundo, Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1981.

ESPINOSA, Baruch, ÉTICA Livro I: De Deus, Da Origem E da Natureza Das Afecções (E/Ou Dos Afetos).  Livro II: A Natureza E A Origem Da Mente. Livro III: A Origem Da Natureza Dos Afetos. Livro IV: A Servidão Humana Ou A Força Dos Afetos. Livro V: A Potência Do Intelecto Ou A Liberdade Humana. Edição Bilingue Português/Latim, Autêntica, Belo Horizonte, 2007.

FARIA, Maria Clara Sepúlveda de, Artigo: “Simplicidade da substância: a distinção dos atributos e a identidade dos modos na Ética de Espinosa”. Dissertação de Mestrado em Filosofia, Programa de Pós-Graduação Lógica e Metafísica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

FREUD, Sigmund, O Inconsciente, Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas, Rio de Janeiro, 1984.

GOETHE, Johann Wolfgang Von, Fausto, W. M. Jackson Inc., Universidade de Aveiro. Portugal, 1956. Disponível em: <http://www.dlc.ua.pt/castilho>. Acesso em junho de 2014.

GOODNEWS, Decio, Holocausto Nunca Mais (PSICity), Romance: menção ao termo “faísca quântica”, disponível em <http://www.recantodasletras.com.br>. Acesso em setembro de 2014.

GONZÁLEZ, Juan A. Garcia, Prefácio do Livro A Crítica Kantiana Do Conhecimento, Escala, São Paulo, 2007.

HEGEL, Georg Wihelm Friedrich, A Fenomenologia do Espírito, livro disponível na Homepage: <http://www.bregroups.com/group/acropolis/>.

HEIDEGGER, Martin, Los problemas fundamentales de La fenomenologia: curso de Marburgo Del semestre de verano de 1927. Trotta, Madrid, 2000.

HEIDEGGER, Martin, Ser E Tempo, Vozes, Petrópolis, 2006.
HITLER, Adolf, Mein Kampf, Moraes Ltda., São Paulo, 1983.

HOBBES, Thomas, Leviatã, Ícone, São Paulo, 2008.

HOPEFAITH, Sereno, Holocausto Nunca Mais (PSICity), referência à menção ao termo “faísca quântica”, disponível em <http://www.usinadeletras.com.br>. Acesso em agosto de 2014.

HOPEFAITH, Sereno, O Romantismo E O Mal-Estar Na Civilização, Ensaio disponível em <http://www.recantodasletras.com.br>. Acesso em agosto de 2014.

HUXLEY, Aldous, Admirável Mundo Novo, Globo, Porto Alegre, 1979.
JAMES, Henry, A Outra Volta Do Parafuso, Cia. Das Letras/Penguin, São Paulo, 2011.

IACOBONI, Marco, por WILSON, SM, AP, SERENO, MI Ouvir o discurso ativa áreas motoras envolvidas na produção da fala, Nature Neuroscience, 7:701-2, 2004.

IACOBONI, Marco, MATA, RP, LATÃO, M., BEKKERING, H., MAZZIOTTA, JC e RIZZOLATTI, G. Mecanismos corticais de imitação humana, Science, 286:2526-8, 1999.

JAMES, Henry, A Herdeira (Washington Square), Ed. Saraiva, Rio de Janeiro, 1955. Disponível em <http://mundoliterando.blogsport.com.br/2013/06/henry_james>. Acesso em junho de 2014.

JAMES, William, Variedades Da Experiência Religiosa, Cultrix, São Paulo, 1991.

JAMES, William, Disponível em: <http://wikipedia.org/wiki/William_James>. Acesso em junho de 2014.

JUNG, Carl Gustav, Sincronicidade, 10ª Edição, Editora Vozes, Volume VIII, Capítulo III das Obras Completas, Petrópolis, 2000.

KAFKA, Frank, “A Metamorfose”, Companhia das Letras, São Paulo, 1997.

KAFKA, Franz, “A Metamorfose”, HQ Mangá, L&PM Pocket Book, Porto Alegre, 2013.

KAFKA, F. Pensador. Disponível em <http://pensador.uol.com.br/autor/franz_kafka/>. Acesso em junho de 2014.

KANT, Immanuel, Crítica da Razão Pura, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2010.

KANT, Immanuel, Crítica da Razão Prática, Edições & Publicações Brasil Editora S/A, São Paulo, 1959.

KING, Stephen, Dança Macabra, Objetiva, Rio de Janeiro, 1981.

KING, Stephen, O Iluminado, Objetiva, Rio de Janeiro, 2012.

KLEIN, Erick, A Escada de Cristal, Madras, São Paulo, 1990.

LACAN, Jacques-Marie Émile, O Estágio Do Espelho Como Formador Da Função Do Eu. Jorge Zahar, Rio de Janeiro, 1995.
LEAL, Renata, As Células Que Aprendem, Artigo editado na Revista Época, Edição 425, São Paulo, 25/07/2006.

LENNE, Gérard, Le Cinéma “fantastique” ET sés mythologies. Éditions Du Cerf. Paris, 1970.

LEVIN, Ira, O Bebê de Rosemary, Best Seller, Rio de Janeiro, 1967.

LOTZ, Sara, Os Três, disponível em <http://listasliterarias.blogspot.com.br/2012/10/10-maiores-escritores-de-terror-de.html>. Acesso em julho de 2014.

MARCUSE, Herbert, A Ideologia da Sociedade Industrial (O Homem Unidimensional), Zahar, Rio de Janeiro, 1966.

MARCUSE, Herbert, Eros E Civilização, LTC, Jundiaí, São Paulo, 1999.

MATHEUS, Carlos, A Razão E A Natureza Em Spinoza E Descartes, Artigo disponível em <http://carlosmatheus.org/a-razao-e-a-natureza-em-spinoza-e-descartes/>. Acesso em julho de 2014.

MATTOS, Carlos Lopes de (Tradução e notas), Tratado De Correção Do Intelecto,  Abril Cultural, São Paulo, 1973.

MERÇON, Francisco Elias Simão, Uma Leitura Analítica Da Novela “A Metamorfose” de Franz Kafka, Dissertação, Universidade de São Paulo, 2006.

MORA, José Ferrater- Dicionário De Filosofia. Verbete Sobre A Emoção. Disponível em <http://www.books.google.com.br/books?isbn=8515018691>. Acesso em julho de 2014.

MOREL, P. Dicionário Biográfico PSI. Jorge Zahar, Rio de Janeiro, 1997.

MORIN, Edgar, Os Sete Saberes Necessários À Educação Do Futuro, Unesco, Brasil, 2000.  

MORIN, Edgar, A Cabeça Bem-Feita, Repensar A Reforma, Reformar O Pensamento, A fragmentação do pensamento na educação e no ensino atual. Artigo disponibilizado  em site  <http://www.webartigos.com/artigos/a-cabeca-bem-feita-repensar-a.../10373>. Acesso em julho de 2014.

NIETZSCHE, Friedrich, Assim Falava Zaratustra, 6ª Edição, Vozes, São Paulo, 2011.

ODA, Ana Maria Galdini Raimundo, Alienação Mental E Raça: a psicopatologia comparada dos negros e mestiços brasileiros na obra de Raimundo Nina Rodrigues. Tese de doutorado. Unicampa, Campinas, 2003.

OLIVEIRA, Susana Paula de Magalhães, A Escolástica E A Tradição Medieval: Convergências Para A Formação Da Realidade Feminina No Renascimento Inglês, <https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/1374/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20de%20Mestrado%20Susana%20Oliveira.pdf>. Universidade Aberta, Lisboa, 2009. Acesso em julho de 2014.

ONE, Decio, A Educação Do Presente, estudo crítico sobre dois livros de Edgar Morin (Os Sete Saberes Necessários À Educação Do Futuro e A Cabeça Bem-Feita),  Independente, Teresina, 2005. Disponível em <http://www.usinadeletras.com.br> (GOODNEWS, Decio). Acesso em agosto de 2014.

ORWELL, George, “1984”, Editora Cia. Das Letras, São Paulo, 2009.

POLO, Leonardo, A Crítica Kantiana Do Conhecimento, Escala, São Paulo, 2007.

RADCLIFFE, Ann, Os Mistérios do Castelo de Udolfo, Romano Torres, Portugal, 1960.

ROBSON, (?), O Pequeno Grande Livro De Kafka, Resenha 307, disponível em <http:// www.skoob.com.br/minhaestante>. Acesso em agosto de 2014.

ROCHA, Ethel Menezes, Observações Sobre A Sexta Meditação De Descartes, Cad. Hist. Fil. Ci. Campinas, Série 3, v. 16, n° 1, págs. 127/144, junho, 2006, disponível em <http://www.cle.unicamp.br/cadernos/pdf/Ethel%20Menezes%20Rocha%20161.pdf>. Acesso em setembro de 2014.

RODRIGUES, Nina-, Raimundo, As Coletividades Anormais, PP. 78/115, Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1939.

RODRIGUES, Nina-, Raimundo, O Animismo Fetichista Dos Negros Baianos.  Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1935.

ROUANET, Sérgio Paulo, Mal-Estar Na Modernidade, Cia. Das Letras, São Paulo, 1993.

SAVIANO, Roberto, Gomorra, Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 2009.

SCALA, André, Espinosa, Estação Liberdade, São Paulo, 2003.

SAËNS, Saint- Camille, Dance Macabre, Le Festival Musica Nigella, Le Concert Au Théatre De Montreuil-Sur-Mer. L´Esemble Musica Nigella, Recital de música disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=1eEg9GYLSqk>. Acesso em setembro de 2014.

SCHOPENHAUER, Arthur, O Mundo Como Vontade E Como Representação, Unesp, São Paulo, 2005.

STOKER, Bram, Drácula, Civilização Brasileira, 2012.

VARMA, Devendra P., The Gothic Flame, Prefácio de herert Read, Arthur Barker, Londres, 1957.

VALENTE, Nelson, A História Da Parapsicologia E Seus Métodos, Panorama, São Paulo, 2009.

VASCONCELOS, Yuri, A origem das histórias de terror. Abril Cultural, São Paulo, 2014.

VENTURA, Zuenir, O Que Fizemos De Nós, Objetiva, Rio de Janeiro, 2013.

VENTURA, Zuenir, 1968: O Ano Que Não Acabou, Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1989.
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 05/02/2015
Alterado em 12/02/2015


Comentários