Textos

“B e k o S”
Mesmo que não tenhas
Nada mais que a noite
Há um dia por nascer

Mesmo se esse dia
Estiver turvo não te
Sintas nervoso: há
Um caminho a pé a
Percorrer. Se vc não
Tiver companhia há
A memória pariu.

Vc não viu seu vagido
Mas ouviu a voz dizer
E quem sabe irás ver
A menina do casal de
Pés descalços. Ela vê
O horizonte a chama
Propaga o futuro. Ele
Chegou não para vc
Carne e ser fóssil do
Passado. Ñ há medo
Nem lágrima em seu
Olhar. Jamais haverá
Mais nada a profetizar.

O tempo chegou e
Está em toda parte
Não há nenhuma
Arte em negar esta
Negação. E se gritar
Pega Cabrão, não
Fica um, meu irmão.

O Domo da Rocha
A guerra bizantina
Biológica o Templo
Da reconstrução.

Quem ouve o eco
Do futuro em pré
Precipitação? Os
Alicerces cults da
Cultura de outro
Paradigma negar
A negação. Os ah
Anjos caídos de
Conteúdos idos.

O Templo de Hiram
O buraco de vermes
Reconstruído sobre
Escombros. Os teus
Ombros não devem
Carregar o peso da
Mala. O tijolo novo
Não sustentará os
Velhos alicerces. Ñ
Há Páscoa para os
Que morreram ou
Lamentações ali és
Nada pelo medo.

Aos lamenta dores
Ninguém os ouvirá
Deus não há de em
Encontros mirá-los
Se não se veem no
Pulsar dos ódios os
De seus próprios
Corações de medo.
Não há nem haverá
Riso ou rima má
Possível para os
De ontem e os de
Amanhã. Segredos!

Não és dessemelhante
Ao teu semelhante? Ah!
Melhor serias se não
Fosses nada. Hipócrita
Te achas dono da coca
Cocada preta, mas os
Que vêm dos vermes
Têm em ti Igualmente
O mesmo repasto no
Ser pulcro onde a ah!
Páscoa é impossível!

Não come more no
Vinho o pão que não
Pode comer e beber
Seus antepassados
Foram antepastos
Nasceram do pão
Ah! Ázimo dormido
Fermentado no sal
E no sangue deles
Profetas. Simples
Assim: a régua e o
Compasso não oh!
Podem esculpir a
Pedra ou a forma
De formatar novo
Formão. Anjos ah!
Nascidos de anjos
Caídos não podem
Nunca ser origem
De nova geração.

E os vampiros, os que
Se deleitam e bebem
Sangue dos advindos
Só podem esculpir a
Pedra do Templo da
Perdição.  Simples ah
Como em Romanos:
Não há um (in)justo.
Nem Um se quiseres.
Olhar e também ver.
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 18/10/2011
Alterado em 27/10/2011


Comentários