Textos

OS DIAS DE HOJE DE SUA INEXISTÊNCIA (O Povo Saiu Do Ovo) ??? — IV—
OS DIAS DE HOJE DE SUA INEXISTÊNCIA (O Povo Saiu Do Ovo) ???
— IV—

VOCÊ SABERIA DIZER quantas mortes já viveu ??? Ou mencionar as vidas pelas quais passou ??? As terras, montanhas, mares e estrelas que foram seus ??? Quantos nomes serviram para te nomear em outros tempos e lugares, sem que nenhum deles pudesse te definir ou dizer quem realmente foste os és ???

QUANTAS VEZES VOCÊ exerceu a entropia memória sem saber ao certo qualificar o porquê de sua intemporal idade ??? Quantas vezes você apareceu e desapareceu num lugar e tempo que não eram seus ??? E você teve de se adaptar às condições que se lhe ofereciam sem questionar se eram ou não o que você queria (ou merecia) ???

VOCÊ COMPREENDE O que o poeta Drummond dizia de você, de sua “Quadrilha” ??? Fulano amava fulana que amava sicrano que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém... Poderia existir uma situação mais bizarra, mais traumática, do que saber que és membro de uma Quadrilha cujos membros se ignoram sempre ???

SE VOCÊ ABRIR O LIVRO de suas lembranças notará quantas vezes evadiu-se a noção de busca que não achou o tempo perdido que buscavas ??? Aonde estavas, em que parte desconhecida do tempo perdido não pudeste encontrar para te encontrar ???

QUANTAS VEZES O conhecimento bateu em tua porta e não a abriste porque não te reconhecestes ??? Aonde estavas ontem em teu sonho que não sabes identificar ter sido ou não um pesadelo ??? Que sonho sonhava a mulher com quem convivias há mais de 12 milênios no tempo antediluviano ???

QUE SONHOS PASSOU ela a sonhar depois de estar com o nefilim que a raptou de tua companhia ??? Saberias ouvir o que ela te diria ??? Aonde estaria o sentido do que ela te dissesse ??? Qualquer palavra em qualquer língua seria certamente inadequada para representar o teatro traumático que te separou dela.

COMO COMPARTILHAR contigo mesmo uma linguagem humana ou não-humana que pudesse diminuir a extensa contiguidade com teus cornos ??? Como participar contigo mesmo a aceitação de tuas misérias e fragilidade a partir dos sortilégios que te foram devolvidos com ela saída dos braços do gigante antediluviano ???

COMO ELA SE SENTIU ao ser abandonada por ti e por todos os da tua espécie ??? Como aceitar a vizinhança dela em tua cama de palha se em tua essência tens a certeza de que não és mais do que um cão que teve por consorte uma cadela estuprada ???

PODERIAS REAGIR DE alguma forma à superioridade física, à maldade e à violência de um nefilim (naphal) antediluviano ???  Desapareceste, não mais que de repente, entre teus próprios escombros. Todos os mortos do mundo não seriam suficientes para vingar o superlativo ultraje !!!

DESAPARECESTE, APESAR de teres tu continuado tua vida no tempo pós-diluviano do dia dia de hoje. Ele está presente em teus registros akásicos, em tuas companhias namoradas, esposas, amantes, Iaiás Garcia. A Capitu machadiana, lembras dela ??? Aprendeste algo na leitura da Bíblia ??? Aprendeste sobre o céu que te protege ???
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 22/11/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários