Textos

SEPÚLVEDA PERTENCE A LULLALAU!!! (A LEI É PARA TODOS) !!!
SEPÚLVEDA PERTENCE A LULLALAU!!! (A LEI É PARA TODOS) !!!

Um homem, uma pessoa, um político não pode nem deve ser mais forte e influente que as instituições da República Federativa do Brasil. Lullalau, apesar de todas as evidências e sentenças transitadas em julgado (isto ainda vale?) continua solto.

Em segunda instância a condenação por unanimidade ainda não surtiu o efeito desejado pela sociedade brasileira: ver Lullalau na prisão. O Analfabeto Triplex do Frei Beto conta agora, em sua equipe milionária de advogados de defesa, conta com o ex-ministro da era Vargas “Sepúlveda Pertence a Lulla”.

Por mais que seja bem pago, como afirmou o Barão de Itararé: “O HOMEM QUE SE VENDE RECEBE SEMPRE MAIS DO QUE VALE”. O Analfabeto Triplex do Frei Beto continua solto. O Brasil parece estar sob a influência de um poder satânico globalista que se acha acima dos códigos jurídicos e da Constituição.

Lullalau zomba da sociedade brasileira com seus discursos que ameaçam juízes e a letra irresistível da Lei constitucional. O Brasil se tornou chacota jurídica nos Foros internacionais. Isto acontece na segunda década de vigência do século XXI. Apesar de, no dia 21 de dezembro de 2012 (data mítica maia do fim de um ciclo de influência cósmica de 5.516 anos) uma suposta nova percepção do mundo entrasse em vigência.

Entrasse em vigência na consciência desperta das pessoas. A partir desta data mítica o planeta Terra estaria livre das influências tirânicas de liderança única do autoritarismo autocrata, intransigente e absolutista de césares populistas tipo o Analfabeto Triplex do Frei Beto. Isto porque as pessoas estariam magicamente beneficiadas por energias universais que abririam a mente e a percepção de mundo dos terráqueos.

Não é o que vemos no Brasil urdido pela mentalidade tacanha de um Analfabeto que quis, mais que tudo, enriquecer no poder e nele permanecer por toda a vida (vide Mensalão e demais atitudes de déspota). Como é possível, como nunca se viu antes neste país, tudo que é considerado bom, ético, moral, lícito, honesto e afirmativo das leis e instituições ser, de repente, não mais que de repente, não ser mais que lixo???

Que coisa é essa que está acontecendo nos corações e mentes dos brasileiros que brincam o carnaval como nada estivesse a viger de ruim e sórdido na realidade cotidiana brasileira??? Milhões saem às ruas em folia comemorativa de uma alegria inexplicável e inexistente. Parece comemoração de robôs que respondem automaticamente às três leis da robótica do Carnaval:

PRIMEIRA LEI: um robô brasileiro não pode pensar ou permitir que um ser humano pense, em fevereiro, em NÃO brincar o carnaval. SEGUNDA LEI: os robôs brasileiros devem obedecer às ordens do calendário carnavalesco, exceto nos casos em que tais ordens entrem em conflito com a Primeira lei. TERCEIRA LEI: um robô brasileiro deve proteger a existência da alegria no carnaval como se esta fosse um imperativo categórico e não entre em conflito com o pasto e a farra da Primeira e Segunda leis.

Brasil, sociedade gerida por cantores de palanque da Academia Tropicalista dos Macunaímas da Música Popular Brasileira. Uma sociedade gerida pela modorra de corações e mentes (falta de motivação mental e emocional para o raciocínio lógico).

A futilidade, a cultura de salão de cabeleireiros, a cultura de galera de torcidas de futebol, a cultura da fogueira das vaidades de peitos, bundas e lábios pintados, numa mostra de total incapacidade de lucidez e habilidade intelectiva. Aonde estão o respeito e a afirmação dos códigos jurídicos e políticos que fazem a cultura e a civilização acontecerem??? Que STF é esse??? Que Legislativo é esse, que se dobra à vontade de poder de um Analfabeto com diplomas globalistas de Dr. Honoris Causa???  
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 13/02/2018
Alterado em 14/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários