Textos

BRASIL: VOCAÇÃO PRA TITANIC, NÃO VAI AFUNDAR !!!
BRASIL: VOCAÇÃO PRA TITANIC, NÃO VAI AFUNDAR !!!

Olha as maravilhas que estão agitando o Povo brasileiro: pagode, forró, rap, funk, axé, sertanejo... E as “raves” de fins de semana, nelas não faltam drogas, pornografia e muita gente: traficantes, boiolas, marias chuteiras, moleques e tratantes. No Congresso, os “parlamentares” côncavos e convexos acabam de conceder ao terrorista urbano Guilherme Boulos a “medalha de mérito legislativo”. E a imprensa brasileira ??? Esta também é festeira. E não dá a mínima para o caos que está rolando como bola de neve.

O jornalismo nacional tropicalista é um dos grandes responsáveis pelo naufrágio do Titanic Brasil sob influência do sociopatologia do socialismo malandro, Fabiano. A utopia regressiva do socialismo Fabiano tomou conta do país pelas mãos de um político e ex-presidente brasileiro: FHC. Depois do “Pacto de Princeton” FHC quer fazer um pacto nacional entre partidos. A queda de Temer se faz iminente, FHC quer fazer valer a volta à presidência nada menos que de Lullalau.

Quem é o primeiro suplente de Tiririca que termina de renunciar ao mandato ??? Nada menos que o executor “zintelectual” do plano de morte que vitimou o ex-prefeito Celso Daniel: José Genuíno. A imprensa, 4° Poder Atuante da República do Bandido, continua com seus articulistas, repórteres, gazetistas que não sabem se comunicar com o mercado editorial brasileiro.

A imprensa tropicalista brasileira é feita por jornalistas formados em faculdades criadas no período dito revolucionário: os anos sessenta/setenta do século passado não tinha outro paradigma que não fosse a colheita maldita da “revolução cultural marxista”. O Brasil era apenas outro país latino no mundo cheio de efervescência consumista. Um mundo em mudança, cheio de problemas.

E quem era o culpado, o único Judas da totalidade dos problemas do mundo em franca transformação do padrão de modelos que não mais serviam ao desenvolvimento do “capetalismo” ??? O próprio “capetalismo” !!! E quem era o único partido que se apresentava como sendo a saída para a crise de costumes do “capetalismo” ??? O socialismo. Ser socialista era estar do lado da “salvação do mundo”.

O mundo precisava ser salvo dos “capetas” responsáveis pelo desenvolvimento da indústria, do comércio, da cultura e da civilização ocidental. E quem se apresentava para substituir o regime capetalista ??? Os piores criminosos de todos os tempos: as lideranças da Internacional Comunista se apresentava ao mundo, em nome da salvação de todos os ingênuos que se chamavam ou não se denominavam Raimundos.

Os jovens reivindicavam ser donos de suas próprias vidas. O Movimento revolucionário de Maio de 1968 na França, sob os auspícios da polícia política da ex-União soviética reuniu a juventude na onda da geração que ia mudar o mundo. Milhares, milhões de jovens que não tinham outro coisa a fazer, nem a ninguém para recorrer, incendiaram o mundo com sua rebeldia em defesa da causa do socialismo tirano, totalitário.

Qualquer coisa seria melhor do que o “capetalismo” tornado “Judas do Mundo”. O “capetalismo” traidor de todos os revolucionários que queriam “libertar o mundo”. Entre estes estavam os piores criminosos de todos os tempo: Stalin, Mao, lideranças políticas totalitárias, africanas, asiáticas e latino americanas (Fidel Castro, entre outros) que assassinaram aproximadamente 150 milhões de seus contemporâneos, irmãos de pátria.

A juventude brasileira, a imprensa brasileira, a sociedade brasileira fora apenas outra vítima dos “embalos de sábado à noite” do comunismo internacional e de seus “salvadores da pátria” tipo o criminoso tropicalista do socialismo Fabiano nacional: Lullalau. O Brasil, vocação pra Titanic, não vai afundar rumo à Venezuela. A INTERVENÇÃO DAS FFAA NÃO VAI PERMITIR QUE ESSE DESASTRE ACONTEÇA !!!  
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 08/12/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários