Textos

A “IDEIA” GEOPOLÍTICA DE “POVO” MORREU NO BRASIL ??? (Intervenção !!! Ou Insanidade Social ???)
A “IDEIA” GEOPOLÍTICA DE “POVO” MORREU NO BRASIL ??? (Intervenção !!! Ou Insanidade ???)

A Ideia de Povo surge quando se quer definir um grande conjunto de indivíduos que, num certo momento histórico (e em todos os momentos de sua realidade eleitoral) influencia os rumos políticos, econômicos e sociais do país ou da nação. No Brasil o Povo está impedido de escolher seus candidatos devido às urnas “batizadas” da Smartmatic.

Povo: diversas etnias unidas num mesmo território geopolítico. Povo defende seus interesses de cidadania, não os desconhece, tal como acontece no Brasil atual. Ideia de Povo se une à de Cidadania associada ao regime jurídico do Estado de Fato e de Direito.

No Brasil a população beira os 210.000.000 (duzentos e dez milhões) de habitantes. Cada pessoa possui um corpo físico e uma mente que precisa de educação, cultura, saúde corpórea e mental (Corpo São Em Mente Sã). Não é o que acontece no Brasil de Lullalau: o corpo de cada brasileiro está carente de atendimento no SUS: mais de 900.000 (novecentas mil pessoas) estão em filas de espera, muitas a mais de dez anos.

A educação é um desastre em todas as instâncias do ensino fundamental ao dito superior. 210 milhões de pessoas estão sendo manipuladas sadicamente por propaganda política em redes de TV, jornais, revistas e rádio com discursos recheados de marxismo Fabiano cultural: 210 milhões de pessoas exploradas pelos políticos do socialismo bolivariano côncavo e convexo (Congresso).

Os direitos constitucionais de 210 milhões de brasileiros (sem qualificação cultural pertinente à defesa de seus interesses: pessoal e coletivo) foram simplesmente lesados. Enquanto Lullalau e a sua Diva Troglodilma investiam o sacrificado dinheiro dos contribuintes em transferências milionárias do dinheiro público para ditadores africanos e latino americanos que moíam (moem) os direitos de seus respectivos Povos sem piedade por sua condição de escassez e miséria.

Um Povo precisa de educação e saúde de qualidade. Não apenas de qualidade, de Alta Qualidade, para poder fazer crescer um país e fazer dele uma nação de vitoriosos membros da sociedade brasileira. Não de torcedores em galeras de estádios de futebol, gritando histericamente quando um idiota de chuteira chuta uma bola para dentro do gol adversário.

O Brasil precisa ser uma sociedade de leitores. O “Yomiuri Shimbun” jornal japonês, mantém uma tiragem diária de 13.000.000 (treze milhões) de exemplares.  A Folha de São Paulo não chega a 170.000 (cento e setenta mil) a média de circulação diária do Estadão não chega a 150 mil. A do O Globo: 181 mil.

A cultura dos brasileiros é a cultura iletrada das maricotas de botequim com seus papos incestuosos motivados pela “dindinha” entre um e outro copo da “lourinha”: o Brasil está saindo pelo ladrão de Zezinhos, Lulus, Chicos Malandros, Zecas Pagodinhos, pardavascos, andorinhas, marias chuteiras a falar de cabrochas do rabo grande, dos peitos pesados. Papos das cabritagens do dia. A ordem do dia no Brasil é: “Todo mundo de bode”.

Não pode ser considerado “Povo” um grande aglomerado de idiotas com mentalidade globalizada pelos programas de entretenimento de baixo nível TVvisivo. Um Povo é uma consciência coletiva que briga para ganhar uma condição de dignidade pessoal e coletiva que não pode ser fornecida pelo Analfabeto Triplex do Frei Beto nem por nenhuma professora universitária no auge do surto psicótico do intelecto neural marxista.

Os serviços de saúde do SUS têm uma fila de espera que ultrapassa os 900.000 (novecentos mil) enfermos em seus diversos estados mórbidos de insalubridade. Enquanto Lullalau fazia gracinha ao dizer que desejava adoecer para ser internado num hospital do SUS.  Todos sabemos que esse pilantra quando tem uma unha encravada corre em seu carrão para desencravá-la no Hospital Sírio Libanês.

Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 06/12/2017
Alterado em 06/12/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários