Textos

“HABEMUS LULLAM”: O Vaticano Do Planalto É Uma Bastilha!!!
“HABEMUS LULLAM”: O Vaticano Do Planalto É Uma Bastilha!!!

A Bastilha do Vaticano Da Praça Dos Três Podres Poderes no Planalto Central do Brasil precisa ser tomada. Precisa ser invadida pelo Povo. A Bastilha Vaticana nacional precisa ser tomada pela sociedade brasileira saqueada por seus esquemas de corrupção institucional. Que fazer em favor do Povo eleitor brasileiro???

Que fazer em prol do Brasil??? Os cardeais emblemáticos que fazem acontecer a chamada Grande Imprensa Nacional (os “zintelectual”) parecem estar coniventes com as nobres excelências da “Bastilha Vaticana do Planalto”. O artigo de um Augusto cardeal representante dessa grande imprensa (“Internet, Território do Ódio”) nivelou por baixo os internautas que buscam a solução do impasse institucional via INTERVENÇÃO.

O jornalista citou as críticas de internautas a compositores e cantores, tipo Chico Malandro, e a atores e atrizes representados pela diva e divindade dos palcos, a Fafá de Belém do Teatro brasileiro, como sendo vítimas daquele ódio. É certo que a malevolência e a hostilidade estão presentes na Internet. Mas, nivelar os intervencionistas a fanáticos de todos os matizes presentes no Facebook e no Twitter, não faz sentido.

Será fanatismo afirmar que, se as FFAA não tomarem a Bastilha do Planalto e a transformarem numa prisão, que será do Brasil??? Se continuar em mãos das excelências Vaticanas na Bastilha da Corrupção??? O Augusto jornalista (Estadão, domingo, 24/09/2017, Aliás, pág. E3) nivelou a todos ultrajando-os no epíteto “Al-Qaeda digital”.

O Augusto citou a frase da atriz desse Teatro de Fantoches do Marxismo Cultural vigente em todas as instâncias da horrível realidade política e jurídica em que estamos metidos: “pedir a volta dos militares é coisa de doentes mentais”, disse ela. Consideremos a afirmação de que a volta dos militares à Bastilha da Corrupção é “coisa de louco”.

Que sugerem ela, a Diva da dramaturgia, e o jornalista em pauta??? Continuar na aceitação apática da sociedade brasileira aos renovados desmandos e à dominação das instituições nacionais por criminosos visigodos do colarinho branco e vândalos truculentos dos movimentos sociais??? Bafejam mais resiliência democrática???

O Augusto e a Diva estão a afirmar que a sociedade brasileira continue sob a chibata psicótica da corrupção endêmica na Bastilha Vaticana da Praça dos Três Podres Poderes??? Essa dupla padrão dos “zintelectual” brasileiros deseja pano de boca vitalício para 200 milhões de brasileiros, prisioneiros desse campo de concentração bolivariano liderado pelo Santo Papa do Vaticano da Corrupção???

As FFAA não servem para intervir numa situação em que ninguém, nem nenhuma outra instituição está apta a fazer alguma coisa contra esse Estado Islâmico da Corrupção Institucional Brasileira???  Estado escorado pelos cardeais da Teologia da Libertação???

Que devem as FFAA e os brasileiros fazer??? Ficar à espera blasé, indiferente, inerte (como se estivessem mortos-vivos) da proclamação da República Socialista do Brasil??? O perigo dos excessos existe. Afinal, o poder militar corrompe, igual a qualquer outra forma de poder. O poder absoluto da Globo corrompe absoluta e impunemente os corações e mentes dos brasileiros de forma intensa, deliberada e perversa. Por que não se voltam contra essa dominação da alma coletiva nacional???

Por que esses “zintelectual” das artes e do jornalismo parecem ignorar, quase que completamente, o poder absoluto em que se assentou o totalitarismo institucional a serviço da corrupção agenciada pelo Marginal dos marginais??? Por que continuam a repetir o mantra do marxismo cultural em que se escoram os congressistas no Vaticano do Planalto Central???  É preciso tomar a Bastilha Vaticana da Teologia da Libertação, ou 200 milhões de brasileiros devem continuar sob o jugo infernal do “Habemus Lullam”???
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 06/10/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários