Textos

Mistificação Social Incestuosa: A Persona Raul J. O Agente Smith Da Matrix Bolivariana
Mistificação Social Incestuosa: A Persona Raul J. O Agente Smith Da Matrix Bolivariana

Os membros que fazem as engrenagens das instituições brasileiras do socialismo Fabiano funcionarem possuem mil faces de uma mesma fisionomia, apenas. Você lembra do Agente Smith de Matrix??? Na realidade nacional atual ele equivale ao ministro Raul J. e às reproduções de membros produzidos em série da sociedade socialista dos mortadelas saídos da mesma linha de montagem robótica do comunismo internacional.

A estratégia de triunfo dos interesses de George Soros no Brasil inclui um amontoado de afirmações mentirosas sobre “a independência das instituições governamentais no Brasil”. Quando todos sabemos que os poderes defendem seus interesses em manter a corrupção institucional fora do clamor popular pelas 10 MEDIDAS ANTICORRUPÇÃO.

O triunfo do mal e a sua estratégia de persuasão estão querendo você, leitor, no fundo do caixão ou Caixa de Pandora da New World Order. Políticos, juízes, advogados, policiais militares, soldados, comandantes, oficiais generais das FFAA, professores, jornalistas, todos parecem contaminados pelo mesmo vírus do centenário da revolução cultural bolchevista da ex-União Soviética (1917/2017) hoje, Rússia de Putin.

A novela política brasileira dos ministérios gozosos possui atores institucionais com dois braços e mãos de cinco dedos, com duas pernas com pés que somam dez dedos. Sobre cada tronco há uma cabeça com ou sem pelos. E todos os demais 200 milhões de personagens dessa novela bolivariana do socialismo universal dantesco são semelhantes a robôs submissos à vontade do ministro Raul J., o Agente Smith da Matrix Brasil.

Desses duzentos milhões de reproduções incestuosas do Agente Smith Brasil, todos parecem advindos do mesmo “Ritual de Passagem” que, por sua vez, assimila e configura igual padrão universal. É como se a geração de superenrolamentos do ADN estivesse a tencionar de maneira irreversível a estrutura da própria molécula regulada “In Vivo” pelas enzimas topoisomerases (põe no Google).

O mesmo “Ritual de Passagem” que nivela por baixo as sensações emocionais que conduzem 200 milhões de brasileiros (mortadelas ou não) à aceitação de participação no mercado socialista de trabalho a serviço da fanfarra de concentração de riqueza do grupo Soros (“et caterva”) como se fossem máquinas de produção em série ocupados em servir os interesses de dominação política e econômica de George Soros.

Todos os dias 200 milhões de Agentes Smith despertam para esse tipo de trabalho como se fossem eletrodomésticos acionados pelo despertador, saídos da mesma linha de montagem (produção em série) a serviço do capital e do trabalho (muitas vezes inexistente) sendo que seus direitos civis e constitucionais foram simplesmente cooptados pela ideologia do marxismo cultural, político, social e econômico a serviço do comunismo internacional. Que nas Américas se cognomina bolivariano, cubano, venezuelano.

A tragédia pessoal e social dessas multidões, inconscientemente cooptadas, não está na padronização antropomorfa (antropoide) mas na uniformização da interioridade. Na sociedade socialista a mecânica quântica de uma mesma, protocolar e convencional “alma coletiva” equivale ao genocídio do intelecto, da criatividade, do pensamento livre, do amor à liberdade de ação e iniciativa privada.

A disposição, a energia vital e criativa, o direito à liberdade estarão sempre sujeitos à repressão oficial de um Estado totalitário a serviço de uma “Nomenklatura” dominada por dogmas ideológicos que administram uma sociedade do pensamento serial, à mercê da padronização de uma sociedade formatada para a produção linear, em série, de Agentes Smith trabalhando para a concentração de riqueza em mãos da caterva de George Soros. INTERVENÇÃO!!! Ou dominação??? INTERVENÇÃO!!! Ou nadificação???
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 29/09/2017
Alterado em 29/09/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários