Textos

A “NORMALIDADE” NA SOCIEDADE BRASILEIRA (“A Vida É Assim”)
A “NORMALIDADE” NA SOCIEDADE BRASILEIRA (“A Vida É Assim”)

Segundo padrões civilizados, a sociedade brasileira não pode ser considerada “normal”. A sociedade brasileira está doente, acamada, na UTI de sua própria inconsciência pessoal e social. Sessenta mil homicídios por ano é uma marca registrada de um Estado de guerra civil não declarado. Guerra civil patenteada por seus agentes políticos e jurídicos do “Estado de Sítio” Fabiano manifesto outorgado por FHC/Lullalau e seus políticos e juízes amestrados ideologicamente pelo bolivarianismo do “Pacto de Princeton”.

Para aceitar o “Estado de Sítio” bolivariano atual você precisa das mesmas crenças e traumas neurológicos e ideológicos que eles, os socialistas fabianos, têm. Para aceitar esse Estado de Sítio da corrupção e pirataria institucional vigentes em Brasília, você precisa manter ativos os mesmos “gatilhos de memória” supostamente traumáticos dos tempos da novela global, PRODUTO DO MARXISMO CULTURAL “A vida era assim”.

O Brasil começou por ser sujeito da própria história ao proclamar a Independência de Portugal. Essa independência começou em 1789, no evento “Derrama” no “Ciclo do Ouro” nas minas gerais. Em 1822 a Independência política do Brasil de Portugal seria proclamada. Não fora piada de português. No momento histórico atual, o Brasil precisa proclamar a independência da dominação política e jurídica do Planalto ocupado por piratas ideológicos bolivarianos. Abodegados na sociedade brasileira quando aberta a "caixa de Pandora" do marxismo cultural gramscista.

Aquele “gatilho de memória” histórica e patológica que originou “Os Inconfidentes” Cláudio Manuel da Costa, Tomás Antônio Gonzaga, Inácio de Alvarenga, o padre Rolim, Joaquim José da Silva Xavier (Tiradentes), volta a atormentar os brasileiros nascidos antes e depois da fundação de Brasília. Uma Nova Proclamação de Independência se faz necessária.

A Independência da “Derrama Bolivariana” que canalizou os impostos nacionais em direção às oligarquias milionárias (“zelite”) dos países socialistas e comunas beneficiados com nosso dinheiro pela corrupção governamental nos governos Lullalau e de sua Diva Jacobina Troglodilma. O enriquecimento bilionário dessas “zelite” pela “zonestidade” desses governos corruPTos de larápios a serviço da pirataria do socialismo Fabiano, precisa da justiça Intervencionista.

A necessidade política e social de Independência se faz presente. Presentes as mesmas patologias históricas e existenciais atualizadas pela corrupção que demanda a “Derrama Bolivariana” na atualidade da História do Brasil. A mesma necessidade do Povo Inconfidente ir às ruas  a clamar por INTERVENÇÃO CÍVICO MILITAR, única maneira de justificar as conquistas da cultura e da civilização judaico-cristã, greco-romana do direito às liberdades individuais garantidas pela Constituição.  

Você ama sua liberdade??? Liberdade Pessoal, Familiar E Social??? Então não precisa estar encarcerado na dinâmica de uma revolução socialista que rouba, assalta e avilta sua condição de ser civilizado e ameaça lançar o Brasil na mesma sanha e insânia política e jurídica venezuelana e cubana, a serviço das memórias políticas e jurídicas mais genocidas da História Universal.

Você NÃO é um ser desnaturado, coração e mente malversados no caos dessa desumanidade dessemelhante à condição cultural cristã. Você precisa ser um Inconfidente da Independência do Brasil desses carrascos e corsários da malandragem bolivariana que ameaçam roubar não apenas as riquezas nacionais mas, principalmente, o Direito às liberdades civis e constitucionais. Não permita que o “Analfabeto Triplex do Frei Beto” continue a conduzir o Brasil em direção ao abismo político, jurídico e social venezuelano. INTERVENÇÃO!!! Ou submissão???        
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 21/08/2017
Alterado em 27/09/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários