Textos

Alguma Coisa Está Fora Do Certo Na Nova Ordem Irracional Do Frei Beto
Alguma Coisa Está Fora Do Certo Na Nova Ordem Irracional Do Frei Beto

O “Analfabeto Triplex do Frei Beto” fora simplesmente escorraçado do nordeste brasileiro. Recebido a ovo e a tomates podres jogados sobre sua triste e patética figura. A trupe de esquerdopatas não reuniu mais do que meia dúzia de mortadelas para aplaudir seu gogó demagogo. A caravana dos sacanas de Lullalau começou quinta feira, 17, programada para seguir com seus ceguinhos até a Bahia, e, dia 5 de setembro terminar no Maranhão da oligarquia genocida da “família Sarney”.  

A configuração da demagogia barata dos esquerdopatas do PT queria levar o santo dos pés de barro, o “Analfabeto Triplex do Frei Beto” no andor de uma campanha de escárnio social nacional com vistas a fazê-lo candidato ao Planalto (2018) depois de percorrer 28 municípios. Na Paraíba a caravana dos sacanas esperava que Lullalau recebesse mais um título de “Doutor Honoris Causa da Corrupção”. A Câmara local contestou o contrassenso: — “Como homenagear um condenado pela LAVA JATO”???

Enquanto isso o Congresso bolivariano do Pixuleco está votando uma Reforma Política demoníaca e antipopular que quer se afirmar enquanto Reforma, mas não passa de uma plataforma para roubar ainda mais os recursos públicos (mais de três bilhões e meio de reais) e canalizá-los para o bolso e a campanha política dos deputados e senadores que desejam esconder toda essa grana roubada dos serviços públicos básicos, no estofado de seus sofás em suas salas de jantar e sob o estofado peidado de suas poltronas bufunfas, debaixo das bundas nos plenários côncavo e convexo do Congresso.    

A indecência institucional no Congresso nacional bolivariano chegou a um clímax de contrassenso debochado que faz questão de ignorar a opinião de seus eleitores e as expectativas de moralização dessas “Casas das Excelências da Mãe Juana” que se elegeram para representar seus eleitores, mas não representam senão a obscenidade política pornográfica desse simulacro de Reforma.

Essa “Reforma Política” é uma anomalia dentro da anormalidade. É uma aberração, uma deformação, uma monstruosidade inconstitucional. Essa “Reforma” investe no descontrole e na instabilidade da ordem constitucional. Clama aos eleitores que no dia 7 DE SETEMBRO de 2017 saiam às ruas, praças e avenidas das cidades a reivindicar a urgência urgentíssima da INTERVENÇÃO CÍVICO MILITAR.

Essa “Reforma” é uma prova de que os membros do poder legislativo estão pra lá de Bagdá na ignorância deliberada da reivindicação popular por moralização do Congresso. Enquanto bolivariano esse Congresso não pode ser moralizado. Seria uma completa contradição. Inconciliável com um projeto político aprovado pela sociedade.

Como é que a fina flor da imoralidade eleita pelo marxismo cultural mais degenerado (como nunca se viu antes neste país) pode fazer uma Reforma Política que não seja ao mesmo tempo sinônimo de uma atitude ideológica completamente desvinculada dos interesses sociais e da expectativa popular de mudança dessa realidade velhaca???

A realidade maquiavélica mórbida, motivada pela “Reforma Política”, entre aspas, é promovida pela bandidagem legislativa conivente com o gogó demagogo do Pixuleco. O  “Analfabeto Triplex do Frei Beto”: o Lullalau que assaltou de todas as formas possíveis um país necessitado de serviços básicos de qualidade!!!

Que “Reforma Política” pode fazer esse Congresso, senão uma reforma que deforma ainda mais a configuração do estatuto de um poder republicano que de há muito tempo é execrado pela sociedade brasileira por sua atuação social apodrecida pela intenção maquiavélica (gramscista) de corromper a sociedade corrompida pela deformidade ideológica do socialismo Fabiano de FHC??? O Brasil do “Pacto de Princeton” ninguém quer. Por isso mesmo, 7 DE SETEMBRO VEM AÍ.
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 20/08/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários