Textos

ALGORITMO FABIANO: O “Estado Islâmico” Do “Encantador De Serpentes” (I)
ALGORITMO FABIANO: O “Estado Islâmico” Do “Encantador De Serpentes” (I)

Encantadores de serpentes usam uma flauta mas, quem encanta não é a música, é a forma e o movimento do flauteio. O Encantador de Serpentes do Foro de São Paulo usa sua voz (instrumento musical) mas, são os movimentos dos braços, das mãos e o bailado dos pés de um para o outro lado que fascina o Povo oprimido a ouvi-lo.

O vulgo, a plebe, a escória, a chusma, o bando, a maloca estava habituada ao engano dos discursos velhacos dos políticos de antigamente. O povaréu do arraial baiano chamado Brasil se encantou com a verborragia do demagogo novo, criado pelo movimento sindical do ABC. O líder populista que mentisse tão bem ou melhor do que seus antecessores, os políticos associados à corrupção das oligarquias do medo.

As oligarquias, desde Cabral e as caravelhas de abril de 1500, fazem seu serviço oficioso de encantadores de serpentes. O analfabetismo é a característica principal do “Estado Fabiano Islâmico” nacional. As crianças brasileiras nascem inteligentes, como diria Olavo de Carvalho, aos catorze já embruteceram completamente. Por quê??? Porque a educação no lar, nas escolas, contribui para que isto aconteça. O obscurecimento é inconsciente. São educadas para não crescerem nunca.

O povo baiano brasileiro precisava de um demagogo que lhe satisfizesse as necessidades básicas. Que permitisse a ilusão de sair do jugo da Casagrande e os fizesse acreditar que estavam próximos da libertação da Senzala. Trocar seis por meia dúzia não importava. A novidade trazida à sociedade brasileira pelo “Analfabeto do Frei Beto” era que esse novo demagogo tinha suas raízes na miséria dos miseráveis.

A popularidade do “Lullinha Triplex” cresceu igual a fogo na floresta em que os bombeiros jogam jorros de gasolina de suas mangueiras ao invés de água. Juntou a fome com a vontade de comer. E as multidões analfas de canibais logo foram saciadas com a demagogia de um dos seus desditosos coitados. A burguesia internacional globalista, encantada com o “Encantador de Serpentes” depressa lhe outorgou trinta (30) diplomas de “doutor honoris causa”.

O projeto de poder do Partido Travestido de trabalhador vendo as enormes possibilidades de alpinismo social imediato de seus membros, usaram e abusaram das multidões de necessitados de todos os lados, para a mobilização da chusma “Walking Dead”: sem tetos, sem terras, sem educação, sem vergonhas, sem empregos, sem outro apetite que não fosse a alimentação do palavreado demagogo de seu líder “Lulla Gogó”. E a baba gosmenda de seu ego gogo tinha a mesma disposição de enganar de seus antecessores, os políticos de Arcaica República Oligárquica de Getúlio.

A novidade é que o país estava preparado para “Lula Gogó” pela doutrinação do marxismo cultural nas escolas, igrejas, instituições públicas, universidades, redações de jornais, academias de letras, intelectuais de subúrbios, artistas de bairros, cantores e compositores, paulistas, paulistanos e cariocas malandros da baianidade.

Nelson Rodrigues afirmara a verdade de que “toda unanimidade é burra”. E todos sabemos no que resultaram as “idéa” do Gogó do “Analfabeto do Frei Beto”: solto na buraqueira, simplesmente aliciou os aliciados políticos oligarcas de todas as cores e partidos, fascinados pelo poder de persuasão do “Encantador de Serpentes” que os convidava a todos ao “Banquete dos Bandidos”. O poder da corrupção das poderosas oligarquias do analfabetismo social se firmou com a compra de votos da Bolsa-Família.


Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 13/07/2017
Alterado em 14/07/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários