Textos

ASSÉDIO SEXUAL ESCATOLÓGICO: (A Frota Karnal Globalizada) — II —
ASSÉDIO SEXUAL ESCATOLÓGICO: (A Frota Karnal Globalizada) — II —

Restava aos senhores do experimento drogas/sexo global nivelado pela cultura “revolucionária” e reivindicativa das décadas de 60/70/80, tirar o máximo proveito político, jurídico, econômico e ideológico da humanidade transformada em laboratório de pesquisa bioquímica. Agora que os corações e as mentes multinacionalizados pelo totalitarismo “democrático” da libido e da inserção de drogas estupefacientes no cotidiano das pessoas, restava aos senhores do mundo inventar a ideologia definitiva da globalização totalitária: a submissão afetiva absoluta das espécie Homo sapiens/demens.

A ideologia de dominação definitiva (gayzismo) haveria de ser totalitária. A China, a Rússia e a Europa têm vocações autocráticas, tirânicas e abusivas. O Brasil, país ideal para experimentos da ordem totalitária global. Sua população xucra logo se permitiu endeusar um Analfabeto de falácia fácil, que prometia a volta do Paraíso Perdido via implantação da República Socialista do Foro de São Paulo. Invenção marxista-leninista de Lullalau e Fidel Castro logo associada ao socialismo Fabiano de FHC.

Adormecidos pela modorra nativa da parte obsequiosa ao servil porrete do colonizador europeu, os índios, os africanos e a Corte portuguesa deitados eternamente em berço esplêndido, aceitaram de bom grado ser empanturrados pelos prazerosos estupefacientes provenientes da cultura nativa e da tecnologia alienígena: cachaça de Paraty, marijuana, ópio oriental, tabacaria narguilé, coca, ecstasy, LSD e  benzodiazepínicos, entre muitas, muitas outras.

Com todas essas contribuições que aniquilam a vontade de ser e agir em proveito das liberdades constitucionais, os brasileiros embarcaram na onda do marxismo cultural. Onda tsunami proveniente dos gabinetes secretos da então União Soviética que, para compensar a perda de seus aliados europeus, investiu pesado no hipnotismo marxista totalitário que vitimou as populações abandonadas pelo capetalismo ciente de que as FFAA dos países latinos e sulamericanos estavam sob controle.

Ora, os grupos de dominação globalizados estão cagando e andando afirmando “foda-se” para as ideologias. Eles dividem o mundo mercado lógico conforme suas análises conjunturais de momento. Tanto faz o Brasil ser avassalado pelos exércitos ideológicos do socialismo Fabiano ou dos capetalistas da Casa Branca. O mercado consumidor de seus produtos continua sendo de mais de 200 milhões de fantoches da NWO.

As FFAA do Brasil de hoje agem com relativa semelhança às ações bélicas de Pizarro e Cortês que, com seus bandos de aventureiros em busca do ouro e pedras preciosas dizimaram populações inteiras de nativos os quais imaginavam ser eles a representação mítica da volta dos deuses astronautas de von Däniken. Elas veem o gayzismo marxista oprimir e escravizar um país sem fazer nada. Exceto: “They sat on the fence”.

No Brasil de agora, as FFAA olham de cima do muro os brasileiros serem estupidificados pelo narcisismo demagógico de lideranças marxistas sob comando, comunicação e controle do “Analfabeto do Frei Beto”. Por ficarem em cima do muro alegando que esse é seu papel constitucional, essas FFAA permitem a dominação política, jurídica, marxista e globalista de um país com seus políticos corruptos quase todos “sub judice”.  

Aventureiros dos exércitos de Cortês/Pizarro exterminavam os nativos americanos com covardia e violência comparáveis às atrocidades das maltas de bárbaros que avassalaram o Império Romano do Ocidente. As FFAA, permitem que os marxistas a serviço das forças políticas do globalismo, exerçam dominação ideológica hipnótica sobre 200 milhões de brasileiros mesmerizados pela tecnologia alienígena que explora seu narcisismo pueril (“selfies”) com todos os requintes maquiavélicos da pior perversidade intencional a serviço da corrupção institucional. Como nunca se viu antes neste país.
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 01/07/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários