Textos

BRASIL: Sociedade Regressiva Chegada Ao Showbiz Do Mausoléu
BRASIL: Sociedade Regressiva Chegada Ao Showbiz Do Mausoléu

A sociedade brasileira é psicoticamente regressiva: está sempre em companhia de seus mortos. Seus filhos estão afeiçoados à proximidade do necrofilismo familiar. As neuroses no dia a dia da sociedade contemporânea são tão cumulativas e em tal quantidade que as pessoas habitam na morada dela sem saber que estão a alimentar a psicótica dependência aos condicionamentos regressivos de seus mortos-vivos.

Ao construir seu castelo na morada do cemitério do lar, o neurótico se habilita habitá-lo, pagando ou não o condomínio ao psicólogo ou psiquiatra de plantão. O condomínio “Walking Dead”, área globalizada da América do Sul, seção Brasil, oferece mil garantias de satisfação a seus condôminos.  

No salão principal do condomínio Brasil podemos ver Chico Malandro dançando com Pedro Pedreiro, o Caetano evoluindo no salão, muito doidão de AC metendo a mão no bolso e não achando nem lenço nem documento num sol de quase dezembro. Não é difícil entre tantos casais “normais” da MPB ver o Gil abraçado ao “seu” Chacrinha evoluindo em passos longos sob o som da orquestra tropicalista da Jovem Guarda ao lado de Roberto Carlos e de seu par ardoroso a rodopiar no salão debaixo dos caracóis de seus cabelos.

Nos intervalos das novelas, filmes e sequelas da programação, a Globo anuncia os shows maravilhosos, os encantamentos fabulosos da musicalidade divina maravilhosa de Wanderléa a girar em círculos com seu “rapaz do Piauí”, enquanto Michel Teló busca encontrar no salão as raízes do sertanejo com quem deseja dançar e no palco iluminado Zélia Duncan vestida de dourado tropicália, concorre com a rei da Jovem Guarda pelos botões da blusa que ela não conseguia desabotoar.

Nessas rotinas de melopeias e cantilenas para boi dormir, Roberto Carlos olha o corpo adormecido e mal coberto de sua kenga da hora, fecha os olhos e vira as costas para dizer que, com esforço, tem de sair de perto de sua namorada mas que já está a sentir doer de dentro a saudade que sentia da noite mal dormida na peleja por realizar suas fantasias renascidas de seus segredos, sonhos e medos.

A Rede Globo nem sei porque ainda não contratou o Gaynaldo Azevedo com seu jornalismo Fabianista que afirma ser um legalista a defender uma democracia inexistente. Ou existente apenas em sua fala de cabra chegado a faniquitos auto apreciativos que se quer conservador da ideologia Fabiana preservativa das trevas côncavas e convexas do Congresso de Lullalau e de FHC.

A população brasileira chegada à letargia social regressiva manifestou-se no grande mausoléu da Praça dos Três Podres Poderes: lá onde a multidão “Walking Dead” gerida por lideranças tipo Gilberto Carvalho e o general Stédile, prepostos representativos da corrupção socialista de Lullalau (MST, CUT) foram manifestar seus sintomas pessoais e sociais e descarregar a pressão e a patologia  das feridas emocionais que só cicatrizam depois de muita violência e depredação patrimonial dos bens móveis e imóveis do Estado.

Aquelas personagens esquerdopatas, combatidas pelas FFAA nas décadas de 60/70 do século passado, hoje estão a exercer a presidência da República, a preencher as poltronas do Congresso com sua bundas suadas côncavas e convexas muito bem pagas, a defender os interesses da corrupção institucionalizada nos governos Lullalau e Dilma Troglodita.

No Supremo Tribunal do Foro (STF) as principais múmias do judiciário marxista estão no exercício do compadrio criminoso que liberta os “cumpanhêros” que estão no viveiro da proliferação de germes próprios de cadáveres exumados das ditaduras e governos totalitários do século passado e seus muitos, mais de cem milhões de mortos. VOCÊS COMPREENDEM QUE ESTÃO A VIVER UMA REALIDADE DE MAUSOLÉU???  

Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 27/05/2017
Alterado em 27/05/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários