Textos

Nero Queimou Roma. “Nero Nove Dedos” Roubou E Incendiou O Brasil
Nero Queimou Roma. “Nero Nove Dedos” Roubou E Incendiou O Brasil


Em 18 de julho de 64 Roma pegou fogo. Historiadores dizem que Nero estava em sua residência de Ânico há cinquenta km de Roma. Muitos romanos disseram ter visto seus servos com fachos de fogo a distribuírem núcleos incendiários na capital do Império romano.


Dois mil anos depois o “Nero Nove Dedos” brasileiro de Caetés, está a incendiar o país com seus terroristas mortadelas pagos com dinheiro dos impostos brasileiros. A política miserável, supostamente em prol dos miseráveis, está a favorecer as grandes fortunas do grupo Soros (Illuminatti) da New World Order, associado ao conglomerado Rússia/China/Califados.


Os interesses litigiosos dos três núcleos de poder que compõem o “Eixo do mal da NWO” se uniram para saquear as riquezas minerais do Brasil. Onde há nióbio, até as corjas mais ferozes das alcateias que lutam entre si pela prevalência da dominação mundial, fazem pactos de conveniência em prol da convivência pacífica entre eles: não agressão mútua.


Usaram e abusaram da verborragia fácil, gonorreia marxista e tautológica que enriqueceu o “Nero Nove Dedos” e seus familiares, de uma forma “mágica”: seus filhos do nada financeiro agora têm milhões de dólares e habitam em afortunadas residências de milhões de reais.


Os superpoderes dos grandes interesses do “Eixo do Mal da NWO” se uniram em torno do fantoche brasileiro para promover seus discursos de vitimização social que não conseguem esconder o sentimento de vingança e ódio às supostas “zelite” nacionais com as quais se aliou para melhor e impunemente saquear as riquezas minerais e o patrimônio de bens móveis e imóveis do Estado.


“Nero Nove Dedos” se aliou incondicionalmente com tudo que há de pior em termos de lideranças oligárquicas associadas à corrupção institucional endêmica do Caburaí ao Chuí: Sarney, Collor, FHC, Troglodilma, Renan, Rodrigo, Dirceu, Mensalão, Petrolão, BNDES, Sudam, Vampiros da Educação, Vampiros da Saúde, Banestado, Privataria tucana: o Brasil é o Paraíso da corrupção.


E no Paraíso da corrupção há o aporte político (Congresso) e jurídico (STF) sem o qual os corruptos de todos os partidos não poderiam roubar o país impunemente. Em qualquer irrelevante município a presença dos poderes corrompidos se faz atuante e o nome da ratazana mais representativa deles é ninguém menos do que o grande líder da corrupção nativa representada por “Nero Nove Dedos”.


Na mente deturpada pelo sentimento baixo de vingança pessoal (ressentimento social) “Nero Nove Dedos” se julga imune às leis dos códigos jurídicos. Por quê??? Porque advogados, juízes, ministros da Suprema Corte do Supremo Tribunal do Foro (STF) nomeados por elle, estão ocupados em defender os culpados pelos esquemas de corrupção, como nunca se viu antes neste país.


Nesse fim de mundo gramscista sem lei, sem ordem, sem mínima moralidade, “Nero Nove Dedos” queima os códigos religiosos, os princípios bíblicos básicos da moral dos textos ditos sagrados, esnoba a cultura judaico/cristã em proveito da “revolução” ignóbil em prol da cultura mortadela.


O Armagedon está declarado em termos tropicalistas. “Nero Nove Dedos” lidera impunemente a política apocalíptica: devastou as instituições ditas jurídicas, em proveito da corrupção totalitária nacionalizada pelo bolivarismo marxista sem princípios mínimos de moralidade: tudo em nome dos pobrezinhos miseráveis abandonados pelas “zelite” com as quais se associou incondicionalmente.


A “Terra Brasilis” colonizada pela chibata do colonialismo português fora substituída pela “Terra Devastada” do Brasil do Foro de São Paulo do Analfabeto “Nero Nove Dedos” e da família Castro. “Nero Nove Dedos” e Família Castro a serviço de incomensuráveis lucros de exploração das riquezas minerais da Amazônia ocupada pela tríade New World Order. SAI DESSA BRASIL!!!    
Decio Goodnews
Enviado por Decio Goodnews em 09/05/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários